O médico oftalmologista holandês que foi acusado de negligência grave depois de quatro pessoas terem ficado parcialmente cegas na sequência de operações foi condenado a quatro anos e oito meses de pena de prisão suspensa.

O tribunal condenou também um outro funcionário da clinica, acusado de usurpação de funções da clinica, a 10 meses de prisão com execução suspensa.