O Fundo Monetário Internacional prevê que a economia venezuelana seja “a mais afetada” da América Latina, pela descida dos preços internacionais do petróleo, projetando para 2015 uma contração de 7% do PIB e uma agudização dos problemas fiscais.

Os dados, segundo a imprensa venezuelana, foram revelados por Alejandro Werner, diretor daquele organismo para o Hemisfério Ocidental e fazem parte do relatório “Perspetivas Económicas Globais para a América Latina e Caraíbas”.

“Cada descida de 10 dólares no preço do barril de petróleo ocasionará uma queda de 3,5% do PIB na Venezuela, agudizando os problemas fiscais e a recessão”, referiu aquele responsável, citado pelo diário venezuelano El Tiempo.

Segundo o FMI, países como a Bolívia, a Colômbia e o Equador, vão ver as suas economias afetadas quanto às perspetivas de crescimento mas contam com posições fiscais suficientemente sólidas para enfrentar o impacto, enquanto a Venezuela reduzirá as entregas de petróleo a preços subsidiados a outros países da América Latina e Caraíbas.

Na última quarta-feira, o Presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, confirmou que a economia venezuelana contraiu 2,8% em 2014 e que a inflação no país ficou “acima dos 64%”, devido a fatores reais e induzidos.