Espaço

Um asteroide passa ‘próximo’ da Terra, mas em segurança

O objeto relativamente grande, com cerca de meio quilómetro, é a passagem mais próxima da Terra deste tipo de astros. Não há perigo à vista.

O asteroide 2004 BL86 vai ser visível no hemisfério norte no dia 26 de janeiro

NASA/JPL-Caltech

O asteroide 2004 BL86 vai passar ‘próximo’ da Terra, mas a uma distância segura. Embora este seja a “rocha espacial” que mais perto passou do nosso planeta, não se aproximará mais do que 750 mil quilómetros – o equivalente a três vezes a distância à Lua -, divulgou a NASA (agência espacial americana).

O corpo celeste de meio quilómetro de comprimento só tem estado visível no hemisfério sul, mas no dia 26 de janeiro, que coincide com o dia em que estará mais próximo da Terra, estará visível no hemisfério norte, mesmo por observadores amadores desde que tenham telescópios ou binóculos potentes.

O movimento do asteroide 2004 BL86 e dos planetas entre os dias 19 de janeiro e 2 de fevereiro - NASA/JPL-Caltech

O movimento do asteroide 2004 BL86 e dos planetas entre os dias 19 de janeiro e 2 de fevereiro – NASA/JPL-Caltech

“Segunda-feira, dia 26 de janeiro será o dia em que o asteroide 2004 BL86 estará mais perto da Terra nos próximos 200 anos”, disse Don Yeomans, que foi coordenador do programa da NASA sobre objetos que passam próximo da Terra (Near Earth Object Program) durante 16 anos. “Há qualquer coisa sobre os asteroides que me faz olhar para cima”, continua Don Yeomans, dizendo que também estará de binóculos na mão.

“Embora não constitua nenhuma ameaça à Terra num futuro próximo, trata-se de um asteroide relativamente grande a uma relativa proximidade, e isso pode fornecer uma oportunidade única de o observar e aprender”, refere ainda Don Yeomans. A equipa da NASA espera recolher imagens geradas por radar – o equivalente a um sonograma que capta ondas, posteriormente transformadas em imagens tridimensionais. Todos os dados recolhidos serão, muito provavelmente novos, visto que do asteroide descoberto a 30 de janeiro de 2004 pouco se sabe.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: vnovais@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)