Tal como já era esperado, Cavaco Silva dissolveu a Assembleia Legislativa da Madeira e marcou eleições para o dia 29 de março. O anúncio foi feito pelo chefe da Casa Civil, Nunes Liberato, no final da manhã desta quarta-feira, que pediu em nome do Presidente um debate construtivo nas eleições.

“O Presidente da República apela a que este ato eleitoral, bem como a campanha que o precederá, decorram com serenidade e elevação, e que o debate democrático entre as diversas forças políticas constitua um exemplo de pluralismo e uma oportunidade para o esclarecimento de todos os Madeirenses quanto ao seu futuro.”

O Conselho de Estado deu parecer favorável, na segunda-feira, à dissolução do governo da Madeira, na sequência do pedido de exoneração de Alberto João Jardim. Este pedido implicou a demissão de todo o executivo madeirense. Na semana passada, Cavaco Silva ouviu os partidos com representação no parlamento madeirense para ouvir as suas opiniões.

À exceção do PCP, que preferia uma data mais próxima do 25 de abril, todos os partidos apontaram o dia de 29 de março como a data mais indicada.