União Europeia

Portugal lança campanha do Ano Europeu para o Desenvolvimento

A embaixadora desta iniciativa é a atriz Cláudia Semedo. Ana Paula Laborinho, presidente do Camões I.P., disse que a ajuda a países desfavorecidos "não é uma despesa, é um investimento.

AFP/Getty Images

Autor
  • Catarina Falcão

O Ano Europeu do Desenvolvimento, uma iniciativa que vai decorrer durante 2015 em todos os países da União Europeia, arrancou esta semana em Portugal com a apresentação do programa de atividades para todo o ano e a apresentação da embaixadora da iniciativa no país, a atriz e apresentadora Cláudia Semedo. Cada mês vai centrar-se numa temática relacionada com os objetivos do milénio da ONU, que em 2015 serão reformulados, estando previstas conferências e prémios na área do desenvolvimento.

Luís Campos Ferreira, secretário de Estado dos Negócios Estrangeiros, disse esta manhã na sessão de apresentação da iniciativa aos jornalistas que a escolha de um tema de política externa pela primeira vez a nível comunitário para marcar um ano, não aconteceu por acaso. “Só quando sentimos na pele os problemas é que percebemos o quão são importantes e infelizmente só valorizamos quando há repercussões negativas”, disse o secretário de Estado, enumerando problemas como o ébola ou os naufrágios no Mediterrâneo como exemplos que puseram a opinião pública a olhar para os países que precisam de mais e melhores condições.

A Europa entendeu que exportar o desenvolvimento pode significar importar segurança”, disse Luís Campos Ferreira.

Em Portugal, o Ano Europeu para o Desenvolvimento vai começar oficialmente a 14 de fevereiro com uma cerimónia de abertura e um espetáculo no Teatro Rivoli, no Porto. Vai ser ainda lançada em abril uma exposição itinerante com temas como educação, mulheres, saúde, segurança, migrações e direitos humanos, assim como será organizada uma conferência internacional sobre os desafios do desenvolvimento em parceria com a Calouste Gulbenkian. A atribuição de prémios de jornalismo e de investigação também está contemplado no plano da iniciativa.

Também a presidente do Camões I.P., Ana Paula Laborinho, disse que o desenvolvimento tem de deixar de ser olhado como “uma questão de ricos e de pobres”, defendo que todos os cidadãos devem estar envolvidos no esforço de ajuda aos países com mais carências. Outras instituições como a Plataforma Portuguesa das ONGD, a direção-geral da Educação, o Conselho Nacional da Juventude, a Rede Intermunicipal de Cooperação para o Desenvolvimento e a representação da Comissão Europeia em Portugal.

A ONU está a reavaliar durante o ano de 2015, os 8 objetivos do milénio a que se propôs em 2000, analisando o que correu bem e o que correu mal no esforço da erradicação da pobreza, mas também quer estabelecer novos objetivos face a novos desafios que surgiram nos últimos anos.

A União Europeia é o maior contribuinte mundial de ajuda ao desenvolvimento em países terceiros e em 2013, Portugal gastou 368 milhões de euros neste tipo de ajuda – totalizando todos os fundos provenientes de órgãos públicos entre ministérios, autarquias e institutos públicos. O Ministério dos Negócios Estrangeiros dispõe em 2015 de um orçamento próprio de 17 milhões de euros para este tipo de ajudas.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
União Europeia

A Europa Social em questão

António Covas

A UE terá de conceber e implementar, por via de uma “cooperação reforçada”, um programa de ação em matéria de espaço social europeu, à semelhança do que se fez com o mercado único ou a moeda única.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)