Rádio Observador

União Europeia

Portugal lança campanha do Ano Europeu para o Desenvolvimento

A embaixadora desta iniciativa é a atriz Cláudia Semedo. Ana Paula Laborinho, presidente do Camões I.P., disse que a ajuda a países desfavorecidos "não é uma despesa, é um investimento.

AFP/Getty Images

Autor
  • Catarina Falcão

O Ano Europeu do Desenvolvimento, uma iniciativa que vai decorrer durante 2015 em todos os países da União Europeia, arrancou esta semana em Portugal com a apresentação do programa de atividades para todo o ano e a apresentação da embaixadora da iniciativa no país, a atriz e apresentadora Cláudia Semedo. Cada mês vai centrar-se numa temática relacionada com os objetivos do milénio da ONU, que em 2015 serão reformulados, estando previstas conferências e prémios na área do desenvolvimento.

Luís Campos Ferreira, secretário de Estado dos Negócios Estrangeiros, disse esta manhã na sessão de apresentação da iniciativa aos jornalistas que a escolha de um tema de política externa pela primeira vez a nível comunitário para marcar um ano, não aconteceu por acaso. “Só quando sentimos na pele os problemas é que percebemos o quão são importantes e infelizmente só valorizamos quando há repercussões negativas”, disse o secretário de Estado, enumerando problemas como o ébola ou os naufrágios no Mediterrâneo como exemplos que puseram a opinião pública a olhar para os países que precisam de mais e melhores condições.

A Europa entendeu que exportar o desenvolvimento pode significar importar segurança”, disse Luís Campos Ferreira.

Em Portugal, o Ano Europeu para o Desenvolvimento vai começar oficialmente a 14 de fevereiro com uma cerimónia de abertura e um espetáculo no Teatro Rivoli, no Porto. Vai ser ainda lançada em abril uma exposição itinerante com temas como educação, mulheres, saúde, segurança, migrações e direitos humanos, assim como será organizada uma conferência internacional sobre os desafios do desenvolvimento em parceria com a Calouste Gulbenkian. A atribuição de prémios de jornalismo e de investigação também está contemplado no plano da iniciativa.

Também a presidente do Camões I.P., Ana Paula Laborinho, disse que o desenvolvimento tem de deixar de ser olhado como “uma questão de ricos e de pobres”, defendo que todos os cidadãos devem estar envolvidos no esforço de ajuda aos países com mais carências. Outras instituições como a Plataforma Portuguesa das ONGD, a direção-geral da Educação, o Conselho Nacional da Juventude, a Rede Intermunicipal de Cooperação para o Desenvolvimento e a representação da Comissão Europeia em Portugal.

A ONU está a reavaliar durante o ano de 2015, os 8 objetivos do milénio a que se propôs em 2000, analisando o que correu bem e o que correu mal no esforço da erradicação da pobreza, mas também quer estabelecer novos objetivos face a novos desafios que surgiram nos últimos anos.

A União Europeia é o maior contribuinte mundial de ajuda ao desenvolvimento em países terceiros e em 2013, Portugal gastou 368 milhões de euros neste tipo de ajuda – totalizando todos os fundos provenientes de órgãos públicos entre ministérios, autarquias e institutos públicos. O Ministério dos Negócios Estrangeiros dispõe em 2015 de um orçamento próprio de 17 milhões de euros para este tipo de ajudas.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)