Se existem dois ingredientes essenciais para fazer uma maionese são os ovos e o azeite (ou óleo). Mas o que chamar a uma “maionese” sem ovos? Uma “maionese” vegana, como a Just Mayo comercializada pela Hampton Creek. Esta corrupção da maionese original levou a Unilever, detentora da Hellman’s Real Mayonnaise, a processar a concorrente, mas este tipo de publicidade trouxe-lhe mais prejuízos que benefícios.

O lema da Hellman’s é usar “ingredientes simples e reais”, daí ter decidido processar a Hampton Creek, porque a Just Mayo não cumpria a definição de maionese da autoridade norte-americana da alimentação e medicamentos (FDA, na sigla em inglês) – conter ovos -, noticiou a revista Slate. Mas o efeito foi o contrário. Ao parecer que estava a tentar oprimir a marca concorrente, a Unilever acabou por dar mais visibilidade à Hampton Creek.

“A verdadeira maionese”, como a Hellman’s se apresenta em Portugal, tentou processar a Just Mayo por não ser uma maionese real, mas agora enfrenta também um problema de originalidade ou veracidade – muitos dos amantes e provadores profissionais dizem que a Hellman’s já não é o que era e que a receita terá mudado.

“Até o meu marido sabe que já não é o mesmo. Em vez de uma maionese grossa e quase resistente, o frasco “Real” agora tem uma massa oleosa. A sério, tragam-na de volta. Se até o meu marido consegue dizer que está diferente, então todos sabem. Por favor, tragam-na de volta. Isto é uma destruição total”, escreveu uma consumidora.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

No artigo que escreveu para a Slate, Ari LeVaux, um amante confesso da maionese Hellman’s decidiu perceber porque é que os consumidores estavam a deixar tantas críticas ao produto. Contactada, a Hellman’s disse que não tinha mudado nada na receita nos últimos dez anos, mas uma provadora profissional confirmou as reclamações dos consumidores dizendo que a textura e viscosidade da maionese estava realmente diferente. Contudo, as diferenças podem dever-se a equipamentos novos ou a uma ordem diferente de misturar os ingredientes, sem necessariamente significar que a receita mudou.

“A textura está definitivamente diferente. Mais suave (costumava ter uma aparência mais áspera, quase coalhado quando se arrastava um utensílio através dela). Esta nova textura também se nota na boca (se comer com uma colher – não estou certa que aconteça depois de se espalhar no pão com peru e queijo sobre ele…). A nova textura é mais característica das versões pobres em gordura”, Joanne Seltsam, provadora descritiva Sensory Spectrum.

Certo é que alguns consumidores estão descontentes e ameaçam deixar de comprar a marca.

“A nova maionese é terrível. Não podia fazer sanduíches e saladas sem ela [maionese]. Agora a minha salada de batata fica escorrida no dia seguinte. Quem me dera que voltassem à receita original. Não vou comprar mais. Miracle Whip [marca de um molho de salada semelhante a maionese] aqui vou eu”, escreveu um dos consumidores.

Chegados aqui, vale a pena ficarmos preocupados por cá? A Univeler em Portugal garante que não: “A Hellmans vendida em Portugal não tem a mesma fórmula da americana e recupera a sua fórmula original”, disse a empresa ao Observador. Os números das vendas no último ano subiram, garante.