Rádio Observador

Comida

10 coisas que tem de saber sobre chocolate

551

O Chocolate em Lisboa arranca esta quinta-feira com mais de 70 expositores dedicados ao cacau. Para que aproveite melhor a ocasião, a chocolatier Odete Estevão partilha algumas curiosidades.

AFP/Getty Images

Bombons, brigadeiros, macarons, trufas e tabletes. Chocolates de diferentes feitos e nacionalidades invadem a capital portuguesa durante quatro dias. A iniciativa Chocolate em Lisboa, de 5 a 8 de fevereiro na Praça de Touros do Campo Pequeno, traz consigo marcas de chocolate nacionais — Chocolataria Equador e Denegro — e internacionais — Callebaut e Valrhona –, com um total de 70 expositores a marcar presença.

Caso pretenda visitar uma feira onde a pasta de cacau adocicada é rainha e senhora, deixamos algumas curiosidades sobre o chocolate, para que possa sair da Praça de Touros com a barriga cheia mas a consciência mais leve. Odete Estevão é nutricionista, presidente e fundadora do Cacau Clube de Portugal, uma organização sem fins lucrativos que leva dez anos de existência e que está associada ao evento, e partilhou com o Observador dez factos sobre aquela que já foi “a bebida dos deuses, um remédio milagreiro e personagem de romances”, como se lê na página oficial do clube.

 

1. Ponha o alarme: a melhor altura para se comer chocolate é às 11.00 e às 17.00, porque é quando o palato está limpo de substâncias. Isto significa que “conseguimos saborear melhor o chocolate e perceber os seus aromas”, explica Odete Estevão.

2. Por dia pode-se comer, em média, até 50 gramas de chocolate, desde que ele tenha pelo menos 70% de cacau. Isto equivale a metade de uma tablete.

3. Achou muito? É que, ao contrário do que se possa pensar, o chocolate não engorda. “O problema é quando as pessoas não comem chocolate bom. Quando isso acontece é sinal de que estão a comer chocolate com outras gorduras, ao invés de conter manteiga de cacau”, diz Odete. Na opinião da chocolatier, deve-se comer chocolate com 60 a 75% de cacau para que o açúcar exerça a sua função, isto é, abrir as moléculas voláteis do cacau: “quando partimos o chocolate experimentamos aromas e esses aromas vêm, num sentido químico, com a ajuda do açúcar.” Se um chocolate não tiver açúcar, como acontece com as tabletes acima de 80% de cacau, não tem aromas. “Nós vivemos para os aromas e um bocadinho de açúcar não faz mal a ninguém.”

4. O chocolate provém da semente de cacau, dividida em substância escura (aquilo que dá cor ao chocolate) e em manteiga de cacau, posteriormente transformada em pasta de cacau que serve de base para os chocolates. Só se fala em chocolate quando há açúcar à mistura, mas a base continua a ter vários benefícios porque a semente de cacau tem diferentes minerais e um deles é o potássio, que equilibra o sal que ingerimos a mais. “Um bom chocolate terá uma boa quantidade de potássio, mas não convém comermos muito chocolate só porque comemos muito sal”, brinca Odete Estevão.

5. Mas há mais benefícios: a semente de cacau é composta por polifenólicos, os chamados antioxidantes que têm propriedades antienvelhecimento.

6. Este é mais conhecido, mas não faz mal nenhum recordar: o chocolate é ativante e provoca felicidade. Odete conta que bebe uma caneca de cacau em pó há 20 anos, todos os dias de manhã, e não bebe nem café nem chá. Embora o cacau tenha uma mínima percentagem de cafeína, está munido de teobromina, a substância que estimula as hormonas que nos dão prazer.

7. Lembra-se da velha história de que os doces fazem mal aos dentes? Reveja essa matéria porque quando se come chocolate negro, a parte negra — o que proporciona a cor castanha ao chocolate — tem flúor que é ótimo para os dentes.

8. Leu bem, a parte negra. Se prefere chocolate branco, más notícias: uma tablete deste tipo tem, em média, 3 a 5% de manteiga de cacau, bastante menos do que o chocolate tradicional, razão pela qual Odete não o aconselha.

9. O chocolate varia consoante os terrenos e os países produtores que se encontram na faixa equatorial. Há diferentes sementes, muito à semelhança do que acontece com as castas. São três os principais tipos de cacau: Crioulo, Forasteiro e Trindário.

10. Ainda na mesma lógica dos vinhos, a semente de cacau ganha aromas consoante os países de onde é oriunda e tendo em conta os solos e a temperatura. Por esse motivo, é possível encontrar cacau mais ácido e outro mais floreado, como é o caso do que é proveniente do Madagáscar.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: acmarques@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)