País

SNS tem de reduzir para metade erros com medicação, quedas e incidentes cirúrgicos a partir de 2020

Reduzir erros com medicação, quedas e incidentes cirúrgicos inadmissíveis são algumas das metas estabelecidas no Plano Nacional para a Segurança dos Doentes, publicado esta terça-feira.

Cerca de 13% do total de casos notificados no sistema nacional que permite a notificação de incidentes na saúde são incidentes de medicação

JOSE COELHO/LUSA

Autores
  • Marlene Carriço
  • Agência Lusa

Aumentar a segurança cirúrgica, aumentar a segurança na utilização de medicação, assegurar a identificação inequívoca dos doentes e prevenir quedas são alguns dos objetivos traçados no Plano Nacional para a Segurança dos Doentes, publicado esta terça-feira em Diário da República.

Entre outras metas, as unidades do Serviço Nacional de Saúde (SNS) vão ter de reduzir para metade, todos os anos a partir de 2020, o número de casos relacionados com erros de medicação e para controlar este objetivo, as unidades terão de auditar, semestralmente, as práticas seguras da medicação, um mecanismo a implementar já a partir de 2016.

Segundo o sistema nacional que permite a notificação de incidentes na saúde, 13% do total de casos notificados são incidentes de medicação. E a Organização Mundial da Saúde (OMS) estima que entre 8% e 10% dos doentes internados em cuidados intensivos e 13% dos doentes em ambulatório sejam vítimas de incidentes, devido a práticas pouco seguras na utilização de medicação.

As instituições de saúde devem adotar boas práticas na validação e dupla validação de procedimentos relativos a medicamentos. Em relação aos fármacos de alto risco, bem como aos que são semelhantes, quer foneticamente quer de aspeto, devem ser adotadas estratégicas específicas.

Terá de ser reduzido, também para metade, o número de quedas nas instituições do Serviço Nacional de Saúde ou com ele convencionado. O diploma lembra que quase um quarto dos incidentes registados no sistema nacional de notificações está relacionado com quedas.

O Plano Nacional para a Segurança do Doente prevê ainda, para o final de 2012, a redução anual de 1% da taxa de incidentes cirúrgicos inadmissíveis. O documento estabelece também metas ligadas ao consumo de antibióticos e à resistência a bactérias, fixando para o final de 2020 uma taxa de prevalência de infeção hospitalar de 8%, reduzindo em metade, face a 2014, o número de antimicrobianos.

Em termos globais, dentro de seis anos, 90% dos serviços de urgência e de internamento dos hospitais têm de ter os sistemas informáticos em intercomunicação e 90% dos centros de saúde terão de ter acesso às notas de alta das entidades hospitalares de referência.

O Plano Nacional para a Segurança dos Doentes 2015-2020 visa, principalmente, apoiar os gestores e os clínicos do Serviço Nacional de Saúde na aplicação de métodos e na procura de objetivos e metas que melhorem a gestão dos riscos associados à prestação de cuidados de saúde.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Conflitos

Mediterrâneo

Luis Teixeira

Huntington defendeu, como Braudel, que a realidade de longa duração das civilizações se sobrepõe a outras realidades, incluindo os Estados-nação em que se supôs que a nova ordem mundial iria assentar.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)