100 Anos de Orpheu

Revisitar o ano do “Orpheu”

181

O novo lançamento da editora Tinta-da-China é um retrato do Portugal de 1915, o ano que viu nascer a revista "Orpheu".

O livro chegou às livrarias no dia 20 de março

Há cem anos, saía a revista Orpheu. Com apenas dois números, o projeto foi um fenómeno “algo efémero”, como referiu Jerónimo Pizarro. Apesar disso, a sua influência permaneceria e, passado um século, “Orpheu continua”.

De modo a celebrar os cem anos da revista modernista, “um dos grandes marcos culturais do século XX europeu”, a editora Tinta-da-China lançou o livro 1915 — O Ano do Orpheu. O lançamento reúne textos de alguns dos mais importantes investigadores da atualidade, numa abordagem que pretende ser, acima de tudo, diferente.

O livro, organizado por Steffen Dix, procura reconstruir a história do Orpheu (e de Portugal) em torno de 1915, um ano crucial para a história portuguesa. Jerónimo Pizarro, um dos colaboradores, explicou ao Observador que o lançamento não pretende abordar um ângulo “artístico, mas socio-histórico”, mostrando a importância de 1915 para o surgimento da revista.

Tentámos fazer com que o Orpheu não fosse apenas a revista, mas a época, o momento, o que estava a acontecer. Tentámos passar a ideia de 1915 como um ano marcante na história portuguesa”, disse o investigador ao Observador.

Para além de Jerónimo Pizarro, o lançamento conta ainda com a colaboração de outros 23 investigadores, que incluem nomes como Arnaldo Saraiva, Nuno Júdice, Filomena Serra e Manuel Villaverde Cabral.

O livro inclui ainda fichas biográficas completas de todos os colaboradores da revista, como Mário de Sá-Carneiro ou Ângelo de Lima, um capítulo dedicado a Amadeu de Sousa-Cardoso (que iria participar no número três) e uma cronologia.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rcipriano@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)