Rádio Observador

100% português

GUR: os tapetes levaram uma volta

303

São como serigrafias: feitos à mão, desenhados por artistas e todos diferentes. Saem de um tear em Viana do Castelo e da visão de uma designer que quis transformar os tapetes e para isso fez a GUR.

As apresentações foram feitas por ocasião da exposição Tradição no Momento, em 2013. De um lado Célia Esteves, designer de 33 anos a viver no Porto e a trabalhar em técnicas de impressão. Do outro Cláudia Vilas Boas, tecedeira desde os 15 em Viana do Castelo. A ideia era pegar em artesãos locais e juntá-los a jovens artistas, para ver o que saía. Inspirada por um tear que a mãe tinha em casa e com que brincava em miúda, Célia escolheu Cláudia. Juntas fizeram um tapete com os olhos bem abertos, e de repente a designer viu que tinha ali um projeto a que dar corpo.

GUR-CeliaEsteves

O tapete desenhado por Célia Esteves.

“A ideia da exposição era fomentar a ligação entre novos artistas e velhas técnicas, e eu gostei tanto do processo todo que quis partilhar a experiência”, conta Célia. Depois de ser ela própria a desenhar o padrão a sair do tear, passou a caneta ao próximo e convidou três ilustradores — José Cardoso, João Drumond e Aitor Saraiba — a fazerem um tapete. Ao mesmo tempo, criou a marca GUR. “O nome é uma brincadeira com a palavra rug (tapete) ao contrário”, explica a designer, “porque a ideia sempre foi essa: transformar um tapete tradicional numa peça nova, com outra abordagem.”

Mais de 50 tapetes depois, e com um catálogo que se assemelha mais a uma galeria de arte do que a uma loja de artigos de decoração, com nomes como André da Loba, Júlio Dolbeth e Catarina Carreiras entre os convidados, cada edição continua a ter uma ligação muito forte com ilustradores e a ser feita à mão pela tecedeira de Viana do Castelo. “Comecei por convidar artistas por proximidade ou até por serem referências minhas”, diz Célia. “Tenho uma ligação com a galeria de ilustração Dama Aflita, no Porto, e isso facilitou o processo, mas o que tem vindo a acontecer cada vez mais é que há pessoas que entram em contacto comigo para fazermos um tapete.” Há também coleções dedicadas a artistas, como a que homenageou o modernista Sebastião Rodrigues, e que neste caso são desenhadas por Célia.

GUR-AnaAreias

O GUR mais recente, desenhado por Ana Types Type.

Todas as edições são limitadas, mas a produção inicial de 50 exemplares de cada passou entretanto para os 80, “porque começou a haver mais procura”. Com um site todo em inglês, uma loja online montada na Etsy, pontos de venda em Lisboa e no Porto mas também em Londres e Barcelona, Célia e Cláudia têm mostrado ter um toque de génio da lâmpada porque os tapetes têm voado de Viana do Castelo para outras partes do mundo. “Eu achei que a marca ia ser um sucesso em Portugal, porque temos uma relação com os tapetes de trapos, por exemplo, mas a verdade é que corre melhor lá fora”, diz a designer “As pessoas aqui gostam dos tapetes e têm reações muito boas, mas acho que existe falta de poder de compra, e acabo por vender muito mais para o estrangeiro.”

Os preços vão dos 50 aos 100 euros, mas a verdade é que os tapetes da GUR são mais para pendurar na parede do que para pôr os pés enquanto se lava a louça na cozinha. “Isso tem piada porque não só ajudou a fazer renascer o hábito de pendurar tapetes, mas porque eu sempre os vi quase como uma serigrafia”, diz Célia, que nem de propósito inaugurou, há duas semanas, um atelier deste método de impressão, o Laika a Print. “Digo isto porque nenhum tapete é igual ao outro, como as serigrafias, são todos feitos à mão, com artistas, e todos de edição limitada”, resume a designer.

Com a GUR os tapetes levaram mesmo uma volta, só não vale pendurá-los do avesso, porque seria uma pena.

Nome: GUR
Data: 2013
Pontos de venda: Loja online na EtsyDama Aflita (Porto), Mercado 48 (Porto) e Fábrica Features (Lisboa)
Preços: 50€-100€

100% português é uma rubrica dedicada a marcas nacionais que achamos que tem de conhecer.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: adferreira@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)