100% português

GUR: os tapetes levaram uma volta

303

São como serigrafias: feitos à mão, desenhados por artistas e todos diferentes. Saem de um tear em Viana do Castelo e da visão de uma designer que quis transformar os tapetes e para isso fez a GUR.

As apresentações foram feitas por ocasião da exposição Tradição no Momento, em 2013. De um lado Célia Esteves, designer de 33 anos a viver no Porto e a trabalhar em técnicas de impressão. Do outro Cláudia Vilas Boas, tecedeira desde os 15 em Viana do Castelo. A ideia era pegar em artesãos locais e juntá-los a jovens artistas, para ver o que saía. Inspirada por um tear que a mãe tinha em casa e com que brincava em miúda, Célia escolheu Cláudia. Juntas fizeram um tapete com os olhos bem abertos, e de repente a designer viu que tinha ali um projeto a que dar corpo.

GUR-CeliaEsteves

O tapete desenhado por Célia Esteves.

“A ideia da exposição era fomentar a ligação entre novos artistas e velhas técnicas, e eu gostei tanto do processo todo que quis partilhar a experiência”, conta Célia. Depois de ser ela própria a desenhar o padrão a sair do tear, passou a caneta ao próximo e convidou três ilustradores — José Cardoso, João Drumond e Aitor Saraiba — a fazerem um tapete. Ao mesmo tempo, criou a marca GUR. “O nome é uma brincadeira com a palavra rug (tapete) ao contrário”, explica a designer, “porque a ideia sempre foi essa: transformar um tapete tradicional numa peça nova, com outra abordagem.”

Mais de 50 tapetes depois, e com um catálogo que se assemelha mais a uma galeria de arte do que a uma loja de artigos de decoração, com nomes como André da Loba, Júlio Dolbeth e Catarina Carreiras entre os convidados, cada edição continua a ter uma ligação muito forte com ilustradores e a ser feita à mão pela tecedeira de Viana do Castelo. “Comecei por convidar artistas por proximidade ou até por serem referências minhas”, diz Célia. “Tenho uma ligação com a galeria de ilustração Dama Aflita, no Porto, e isso facilitou o processo, mas o que tem vindo a acontecer cada vez mais é que há pessoas que entram em contacto comigo para fazermos um tapete.” Há também coleções dedicadas a artistas, como a que homenageou o modernista Sebastião Rodrigues, e que neste caso são desenhadas por Célia.

GUR-AnaAreias

O GUR mais recente, desenhado por Ana Types Type.

Todas as edições são limitadas, mas a produção inicial de 50 exemplares de cada passou entretanto para os 80, “porque começou a haver mais procura”. Com um site todo em inglês, uma loja online montada na Etsy, pontos de venda em Lisboa e no Porto mas também em Londres e Barcelona, Célia e Cláudia têm mostrado ter um toque de génio da lâmpada porque os tapetes têm voado de Viana do Castelo para outras partes do mundo. “Eu achei que a marca ia ser um sucesso em Portugal, porque temos uma relação com os tapetes de trapos, por exemplo, mas a verdade é que corre melhor lá fora”, diz a designer “As pessoas aqui gostam dos tapetes e têm reações muito boas, mas acho que existe falta de poder de compra, e acabo por vender muito mais para o estrangeiro.”

Os preços vão dos 50 aos 100 euros, mas a verdade é que os tapetes da GUR são mais para pendurar na parede do que para pôr os pés enquanto se lava a louça na cozinha. “Isso tem piada porque não só ajudou a fazer renascer o hábito de pendurar tapetes, mas porque eu sempre os vi quase como uma serigrafia”, diz Célia, que nem de propósito inaugurou, há duas semanas, um atelier deste método de impressão, o Laika a Print. “Digo isto porque nenhum tapete é igual ao outro, como as serigrafias, são todos feitos à mão, com artistas, e todos de edição limitada”, resume a designer.

Com a GUR os tapetes levaram mesmo uma volta, só não vale pendurá-los do avesso, porque seria uma pena.

Nome: GUR
Data: 2013
Pontos de venda: Loja online na EtsyDama Aflita (Porto), Mercado 48 (Porto) e Fábrica Features (Lisboa)
Preços: 50€-100€

100% português é uma rubrica dedicada a marcas nacionais que achamos que tem de conhecer.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: adferreira@observador.pt
Liberdades

O medo da liberdade /premium

Paulo Tunhas

O que esta nova esquerda busca não se reduz ao desenvolvimento de um Estado tutelar. É algo que visa a perfeita eliminação da sociedade como realidade distinta do Estado. Basta ouvir Catarina Martins.

25 de Abril

Princípio da União de Interesses

Vicente Ferreira da Silva

O nosso sistema de governo promove desigualdades entre os cidadãos, elimina a responsabilidade dos titulares de cargos públicos e limita as liberdades, os deveres e os direitos fundamentais.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)