As consequências das bebedeiras são subjetivas. Pode ser uma dor de cabeça, mal-estar corporal, vómitos ou, simplesmente, nada.  Mas sabe-se que a ressaca aos 40 anos não tem a leveza que tem aos 20 anos. Porquê?

As pessoas mais velhas têm uma menor percentagem de água no corpo

A ressaca é, para todos os efeitos, um quadro agudo provocado pela desidratação. E a bebedeira desidrata o cérebro. É por isso que beber água após a ingestão de bebidas alcoólicas é uma das principais armas contra a ressaca. “O álcool mistura-se com a água, e no organismo das pessoas mais velhas há menor quantidade de água”, indica Francisco Camarelles, médico de família, ao jornal espanhol El País.

As enzimas responsáveis por metabolizar o álcool já não funcionam tão bem

A quantidade de enzimas que metabolizam o álcool (a acetaldeído e a álcool desidrogenase) diminuem com a idade, por isso as toxinas permanecem mais tempo no corpo. Além disso, o fígado aumenta de tamanho com a idade e torna-se menos eficaz.

Podemos ficar mais gordos e, por isso, a água não é eficazmente distribuída

O peso e a gordura corporal são fatores que afetam a dimensão da ressaca. E é muito fácil criar uma barriguinha aos 40 anos. “Com a idade há mais gordura e menos água. E se temos menos água no organismo, o álcool concentra-se mais e não se distribui tão bem no corpo”, afirma Camarelles.

Ainda há muitas perguntas por desvendar oficialmente: quais são as condições necessárias para a ressaca aparecer? Porque é que algumas pessoas são “imunes” ao álcool? Antoni Gual, chefe da Unidade de Alcoologia do Instituto Clínico de Neurociências, não percebe porque é que”a ressaca é uma das coisas menos estudadas na medicina.”

“É estranho não estudarem este assunto, quando é de interesse público: 50 milhões de pessoas pesquisam a palavra hangover [ressaca, em inglês]”, justifica. O Observador já fez um Explica-me que sugere várias formas de evitar a ressaca. Uma coisa é certa: a idade não perdoa.

Texto editado por Pedro Esteves.