Festas de São João

Do tradicional ao alternativo, todos cabem na maior festa do Porto

940

O São João chegou e tem propostas para diferentes gostos, dos que preferem os bailaricos aos que procuram programas menos tradicionais, sem martelos nem sardinhas.

José Cid nos Aliados, Mariza no Cais de Gaia, Bandalusa nas Fontainhas e a Banda Sinfónica na Casa da Música. Isto é ecletismo

© Fábio Poço / Global Imagens

Na noite de 23 para 24 de junho, há um ritual que milhares de portuenses cumprem: sair de casa, comer sardinhas assadas, martelar cabeças alheias, tentar proteger o nariz das flores de alho-porro, ver o espetáculo de fogo-de-artifício e, para os mais resistentes, caminhar desde a Baixa até às praias da Foz. Mas há muito mais para aproveitar na maior festa da cidade do Porto. Seja para os que preferem o São João dos bailaricos, seja para aqueles que procuram programas menos tradicionais, o Observador foi esmiuçar o programa das festas e deixa várias sugestões para esta terça-feira (e uma para relaxar no dia seguinte).

Em equipa vencedora não se mexe, pelo que quem procura o ambiente mais tradicional e castiço do Porto (e não tem medo de multidões) deve rumar às Fontainhas. Na Praça Velasquez, na Foz do Douro e na Cordoaria não há nada que enganar: o fumo da sardinha assada anda no ar, lançam-se balões em direção ao céu e as sonoridades deverão passar pela chamada música pimba e algum forró, com incursões pela cada vez mais popular kizomba. Na Rotunda da Boavista há um bónus, já que é ali que está instalada a maior roda gigante que alguma vez passou por Portugal. Destaque ainda para o Bailarico de São Bento, a partir das 20h00 junto à Estação de São Bento, e que conta com a mão do Plano B e do Pitch Club, num híbrido entre festa urbana e popular.

Porto, 23/ 06 / 2013 - Festejos da festa de são joão na cidade do Porto. Comerciantes nas Fontaínhas aguradam a noite festiva. ( José Mota / Global Imagens )

À procura da festa mais popular de São João? Dirija-se às Fontainhas, de preferência pela hora de jantar. ©José Mota / Global Imagens

No que toca a concertos, a música ao vivo começa na Avenida dos Aliados às 22h00, com os DJs de Vacaciones. À mesma hora, mas no Cais de Gaia, vai estar a fadista Mariza, num concerto que se adivinha muito concorrido. Quem preferir ficar nas Fontainhas terá direito a ver Bandalusa, mítica banda popular do Porto. De volta à Avenida dos Aliados, mas à uma da manhã, os presentes vão poder cantar e dançar com José Cid. Todos os concertos são gratuitos.

Ao bater das doze badaladas, é hora de olhar para o céu e assistir ao fogo-de-artifício. A Ribeira é, simultaneamente, o melhor e o pior sítio público para se assistir ao espetáculo, que terá a duração de 15 minutos. A visão que se consegue em frente ao Rio Douro é desafogada, mas o local não é aconselhado a quem não se dá bem com grandes multidões. O maior problema dá-se no final do espetáculo de pirotecnia, quando toda a gente tenta sair dali, mas por diferentes saídas, provocando um caos de encontrões. Se não quer optar por um restaurante com vista (quase todos esgotados por esta altura, desde o luxuoso The Yeatman ao popular Guindalense), nem por uma das embarcações estacionadas no rio, o melhor é tentar o Cais de Gaia ou a Sé. Ainda assim, convém ir cedo para conseguir um bom lugar.

Depois de mais um copo de vinho carrascão e de exercitar mais um pouco o martelo de plástico nas cabeças que passam, é hora de caminhar  junto ao rio em direção às praias da Foz. O caminho é longo – à volta de sete quilómetros – mas terá milhares de pessoas a fazer o mesmo e poderá fazer pausas nos vários bailaricos que se encontram pelo caminho. A recompensa é o nascer do dia na praia, com as ondas como banda sonora.

Banda Sinfonica Portuguesa

Se o ambiente popular não é o que procura, na Casa da Músia há um concerto clássico gratuito em noite de São João. ©D.R.

Cansado das multidões, das sardinhas e da música popular? Há várias soluções alternativas. A pensar no quão difícil é para os vegetarianos encontrarem petiscos vegetarianos em noite de santos populares, o partido PAN – Pessoas-Animais-Natureza promove, pelo sexto ano consecutivo, o evento São João Vegetariano, junto à Igreja de São Francisco.

Para quem prefere a música clássica à popular (e ambientes mais organizados), a Banda Sinfónica Portuguesa dá um concerto de São João, às 22h00, na Sala Suggia da Casa da Música, com uma incursão nas linguagens do jazz. Depois do concerto, a noite de São João prolonga-se ao ao livre com a música pop de PZ, que apresenta o novo álbum Mensagens da Nave-Mãe. Músicas como “Cara de Chewbacca”, “Croquetes” e “Tu És a Minha Gaja” são alguns exemplos das letras provocantes, irónicas e descomplexadas que têm conquistado cada vez mais fãs. A entrada em ambos os concertos é gratuita.

freshkitos

Se a madrugada pede sons eletrónicos, não faltam opções. ©www.facebook.com/freshkitos

Os muitos espaços noturnos da Invicta oferecem, cada um, a sua festa. Por exemplo, a partir das duas da manhã, o Hard Club abre as portas a quem quer ouvir trance e tecno (bilhetes a cinco euros). O Porto Rio aproveita para celebrar o 14.º aniversário com sonoridades semelhantes – trance, drum &bass e techno. Três ambientes à disposição em troca de cinco euros de entrada.

Com vontade de dançar durante 10 horas seguidas? Se sim, vai poder fazê-lo na discoteca Gare Porto, entre as 01h00 e as 11h00. Há Freshitos, Steve Parker, Yassine Peixoto e muito mais. A entrada custa 10 euros, com oferta de uma bebida até às quatro da manhã.

Por fim, e para recuperar da noitada, não perca às 17h00 de quarta-feira a 32.ª Regata de Barcos Rabelos, as famosas embarcações portuguesas que transportavam as pipas de Vinho do Porto desde o Alto Douro Vinhateiro até Vila Nova de Gaia e Porto. Os 14 barcos em competição partem do Cabedelo e a chegada da regata está prevista para junto da Ponte Luís I.

Vila Nova de Gaia, 24/06/2013 - Realizou-se hoje à tarde a regata de barcos Rabelos no rio Douro entre o Cabedelo e a ponte D. Luis I no Porto. ( Pedro Correia / Global Imagens )

A regata de barcos Rabelos no rio Douro acontece sempre no dia 24 de junho. © Pedro Correia / Global Imagens

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Greve

O povo é quem mais ordena e a CGTP está fora /premium

André Abrantes Amaral

Quando os motoristas de matérias perigosas param o país e não se revêem na CGTP é a própria Concertação Social que está posta em causa, o que revela o quanto a geringonça distorceu esta democracia.

Eleições Espanha 2015

Sombras da guerra civil /premium

Manuel Villaverde Cabral

Não se espera uma nova guerra civil mas não são de afastar enfrentamentos de vários géneros, incluindo físicos, apesar da pertença comum à União Europeia, cujos inimigos em contrapartida rejubilarão!

25 de Abril

O Governo Ensombrado vai ao circo

Manuel Castelo-Branco
143

Se hoje é possível um programa como o Governo Sombra, foi porque o Copcon de Otelo não vingou. Porque apesar de serem “apenas” 17 vítimas mortais, as FP25 foram desmanteladas e os seus membros presos.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)