Viana do Castelo

Trajes e ouro das mordomas de Viana são questão de “amor e orgulho minhoto”

2.077

Viana do Castelo prepara-se para receber cerca de 400 participantes no desfile da mordomia das festas da Agonia, numa tradição que parece ser cada vez mais uma questão de orgulho para todo o Minho.

LUSA

As vestes tradicionais são tão únicas quanto as famílias que as envergam e são adereçadas e complementadas, ao longo de vidas e gerações, com acessórios de tecido ou de ouro oferecidos em ocasiões especiais, de modo a até contarem a história de quem neles desfila.

Para Liliana Gomes, residente em Vila Praia de Âncora (Caminha), a tradição da mordomia está a transbordar de Viana do Castelo para toda a região envolvente, num hábito que reflete cada vez mais um símbolo do “amor e orgulho minhoto” de que se investe para desfilar de sorriso na cara e mão na anca.

“Sempre que alguém me diz que tem um traje muito antigo eu desconfio, porque não é assim que as coisas funcionam”, disse à Lusa, aludindo à prática antiga de ser-se enterrado com a indumentária, poupando-se tão-só os acessórios para a seguinte geração.

Para a engenheira, em treino de enfermagem, desfilar é “mesmo uma questão de amor”que iniciou há 17 anos, quando tinha acabado de fazer 21. Mas foi logo aos 18 que começou a preparar a tradição perante a anuência e apoio da madrinha e do pai.

Comecei a trabalhar com 18 anos em discotecas e quando chegava o fim do verão e recebia o dinheiro ia comprar ouro. Muito devagarinho fui adquirindo o que tenho, não só de ouro, mas a nível de trajes também – agora um lenço, agora uma blusa, uma camisa, portanto muito devagarinho”, revela, exibindo os quase três quilos de ouro da família que normalmente está dividido por várias casas.

As peças – fios de contas, cordões com medalhas, fios com laça, trancelins, brincos e corações – são então codificadas com cores, marcadas no verso, para que a família saiba sempre a quem pertence o quê.

Os trajes de Viana variam entre os de mordoma, de lavradeira, de trabalho, de festa, de casamento, de dó e de morgada, estilos que Liliana Gomes colecionou até chegar aos 12 vestidos, cada vez mais pesados à medida que chegava ouro novo.

Parte da perseverança desta tradição pode ser explicada no rigor e minúcias do código do bem vestir e ourar, algo bem patente nos arranjos que a madrinha de Liliana Gomes lhe vai executando enquanto veste a afilhada.

“Vejo pessoas vestidas de uma maneira que não tem nada a ver com o que era”, diz à Lusa Conceição Matos, madrinha de Liliana e também natural de Amonde, Viana do Castelo, onde começou a trajar há 60 anos, lamentando a atual “falta de rigor na maneira de pôr o ouro, os lenços e os aventais”.

É importante, no traje da lavradeira, a saia branca ser bem apertada e o avental não estar a cair. Vejo muitas lavradeiras andam por aí com o avental a cair. Isso não é rigor”, assevera.

Sandra Gonçalves, prima de Liliana e residente em Lisboa, sorri enquanto Conceição lhe arranja o lenço na cabeça, um hábito que a leva a viajar ao norte do país anualmente, porque sente-se “sempre diferente, sempre mais feliz” quando enverga o traje vermelho e o ouro da família. “Sempre que desfilo elogiam-me sempre o lenço, vêm sempre dizer-me que está muito bem-posto”, disse, orgulhosa, perante o olhar sem espanto de Conceição Matos.

Se se pergunta a Liliana o que sente quando traja, a resposta inclui, repetidas, as palavras orgulho e Minho. “Nunca ninguém me incutiu isto. Não faço isto porque gosto, faço porque amo. Só se a minha filha gostar disto é que a vou continuar a trajar, porque deve partir do gosto, do orgulho, não por imposição. Porque só se uma pessoa vai satisfeita com aquilo que tem vestido ou leva posto é que transmite naturalmente a beleza do Minho. A beleza da mulher do Minho”, disse à Lusa, perentória.

Em 2013, estimou-se em cerca de 14 milhões de euros o valor das centenas de quilos de peças de ouro usadas pelas mordomas.

As festas e desfiles da Agonia decorrem entre 20 e 23 de agosto, no centro de Viana do Castelo. A autarquia avançou, entretanto, que a certificação do típico “traje à vianesa”, com origem no século XIX, pode mesmo ser anunciada durante esta que será a comemoração mais dourada do país.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)