Rádio Observador

Startups

Portuguesa Chic by Choice compra rival alemã La Remia

184

Startup portuguesa fundada por Filipa Neto e Lara Vidreiro comprou uma empresa concorrente na Alemanha, a La Remia. As condições em que o negócio aconteceu não foram reveladas, segundo o TechCrunch.

A Chic By Choice é uma plataforma online de aluguer de vestidos de alta-costura

A startup portuguesa Chic by Choice comprou a rival alemã La Remia, avançou esta terça-feira o  TechCrunch. As condições financeiras que envolveram a operação não foram reveladas, mas sabe-se que as fundadoras da empresa de Berlim, Anna Mangold e Claudia von Boeselager, vão integrar a equipa portuguesa como consultoras.

A Alemanha é um dos principais mercados de comércio eletrónico e nós estávamos a ter um franco crescimento. Fazia todo o sentido acelerar a expansão da Chic by Choice e entrar num mercado que é muito forte em comércio eletrónico”, explica ao Observador a fundadora Filipa Neto.

A entrada no mercado alemão deu-se com a compra da concorrente La Remia para aproveitar conhecimento e a base de consumidores fiéis que já existiam na empresa. “As fundadoras já tinham este know-how do mercado, sabiam como operar e tinham uma base de consumidores muito fiéis ao conceito. Quisemos trazer esse know-how e esses consumidores para a Chic by Choice”, acrescenta Filipa Neto.

A Chic by Choice faz parte do portefólio de investimentos das capitais de risco Faber Ventures, Portugal Ventures e The Edge Group, que no ano passado investiram cerca de 500 mil dólares (435 mil euros) na empresa. A startup – que opera uma plataforma online de aluger de vestidos de luxo – foi fundada por Filipa Neto e Lara Vidreiro em 2014 e já faz envios para mais de 14 países. Entre as marcas disponíveis no site, encontram-se nomes como Dolce Gabbana, Valentino ou Dior.

A La Remia é mais um passo no crescimento da empresa. Conseguimos crescer muito rapidamente num curto espaço de tempo não só a nível local como também conseguimos chegar a vários países. Somos o único ‘player’ que distribui praticamente por toda a Europa”, adianta Filipa Neto.

Quanto à rival alemã, foi fundada por  Claudia von Boeselager e Anna Mangold em 2013, com investimento de dois business angels e da capital de risco High-Tech Gründerfonds. Em fevereiro deste ano, a startup portuguesa já tinha estado em destaque na Forbes por estar a mudar a forma como se consomem produtos de luxo.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: apimentel@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)