Cinema

“Montanha”: João Salaviza estreia novo filme no festival de Veneza

O realizador português não está na corrida ao Leão de Ouro, ao contrário de nomes como Marco Bellocchio, Laurie Anderson e Tom Hooper. O serviço Netflix começa aqui a conquista pela sétima arte.

Sim, esta "Danish Girl" é mesmo Eddie Redmayne, que venceu o Óscar de Melhor Ator pelo papel de Stephen Hawking, em "A Teoria de Tudo"

Autores
  • Sara Otto Coelho
  • Agência Lusa

O Festival de Cinema de Veneza, que começa esta quarta-feira em Itália, conta com a antestreia mundial de “Montanha”, a primeira longa-metragem do realizador João Salaviza, integrada na Semana da Crítica. Na competição oficial, os olhares vão estar atentos à primeira presença da Netflix nos grandes do cinema mundial, com a produção original “Beasts Of No Nation”.

Na Semana da Crítica, secção independente do festival, João Salaviza vai mostrar pela primeira vez, no sábado, 5 de setembro, o filme onde volta a abordar a adolescência, tema que tem marcado presença nos filmes anteriores. Protagonizado pelo jovem ator David Mourato, “Montanha” é descrito pela organização como “uma joia fascinante e poética, na linha da tradição do mais bem-sucedido cinema português contemporâneo”.

Entre as curtas-metragens já assinadas por Salaviza destacam-se “Arena” (2009), distinguido com a Palma de Ouro em Cannes, e “Rafa” (2012), que lhe valeu o Urso de Ouro em Berlim. Depois de Veneza, “Montanha” será exibido no festival de San Sebastian, em Espanha, e estreia-se nos cinemas portugueses a 12 de novembro. Em Veneza, Salaviza vai competir com seis realizadores: Senem Tuzen (“Motherland”), Adriano Valerio (“The Journey”), Esther May Campbell (“Light Years”), Min Bahadur Bham (The Black Heh), Green Zeng (“The Return”) e a dupla Martin Butler e Bentley Dean (“Tanna”).

O mais antigo festival de cinema do mundo cumpre 72 anos e selecionou filmes de Marco Bellocchio, Laurie Anderson, Alexander Sokurov, Amos Gitai e Charlie Kaufman para a competição oficial pelo Leão de Ouro. Tom Hooper também está na seleção oficial com “A Rapariga Dinamarquesa”,  baseado no livro de David Ebershoff e que conta no papel principal com a transformação de Eddie Redmayne. Este ano venceu o Óscar de Melhor Ator pelo papel de Stephen Hawking em “A Teoria de Tudo”. Fala-se que o ator britânico pode voltar a concorrer a uma estatueta dourada com este papel.

Na corrida pelo Leão de Ouro destaca-se um “intruso” chamado Netflix. O serviço de séries e filmes em streaming (que chega em outubro a Portugal) conseguiu que a sua primeira produção cinematográfica original, “Beasts Of No Nation”, tivesse antestreia num dos principais festivais de cinema do mundo. O filme foi realizado por Cary Fukunaga e vai ser exibido esta quinta-feira à noite. Quando em outubro entrar no circuito comercial, vai estar disponível em simultâneo nos cinemas e, claro, na Netflix.

Ao mesmo tempo, a Netflix anunciou no início da semana que não iria renovar o acordo que tinha há cinco anos com a distribuidora Epix, o que significa que milhares de filmes vão deixar de estar disponíveis para os subscritores. Motivo: a criadora das séries “House of Cards” e “Orange is the New Black” quer apostar mais em conteúdo original.

Fora de competição, a abertura dá-se em 3D com o filme “Everest”, baseado na história verídica da morte de oito alpinistas, em 1996.

O festival termina no próximo dia 12 e o júri que atribui o Leão de Ouro é presidido pelo mexicano Alfonso Cuarón, que no ano passado ganhou o Óscar de Melhor Realizador, pelo filme “Gravidade”. O prémio de carreira será entregue ao realizador e produtor francês Bertrand Tavernier.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Conflitos

Mediterrâneo

Luis Teixeira

Huntington defendeu, como Braudel, que a realidade de longa duração das civilizações se sobrepõe a outras realidades, incluindo os Estados-nação em que se supôs que a nova ordem mundial iria assentar.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)