Rádio Observador

Documentários

A moda tem coração? Este documentário prova que sim

165

Quantas missangas, costuras e mãos são precisas para fazer um desfile de moda? A resposta envolve lágrimas no filme "Dior e Eu", que se estreia em Portugal esta quinta-feira.

O título dá-nos a ideia de um conto de fadas onde não faltam roupas de encantar. Mas o mais recente documentário de Frédéric Tcheng é mais real e menos glamoroso do que se possa pensar. Dior e Eu abre as portas do universo exclusivo da maison francesa ao acompanhar a primeira coleção pela mão do diretor criativo Raf Simons. O desafio? Simons e a sua equipa têm apenas oito semanas para criar um desfile de alta-costura.

Com estreia marcada para 10 de setembro em Portugal, o documentário é o resultado de 250 horas de material filmado em 2012, quando Simons assumiu o cargo de diretor criativo da Dior. A ultrapassar uma altura decisiva na sua história, depois da polémica acerca dos comentários xenófobos que afastaram John Galliano, a especulação sobre o novo nome para a direção criativa da Dior era muita. E assim chegou Simons, vindo de um passado minimalista na marca Jil Sanders, envolto em mistério e expetativa, sob os olhares atentos e curiosos da indústria da moda e dos seus próprios colaboradores.

DIORANDI_STILL2 jpg

Raf Simons a ver uma das suas criações. © Dior and I

Com a figura de Simons como espelho contemporâneo do fundador Christian Dior, o documentário segue de perto a pressão de tomar as rédeas de uma legado icónico, ao mesmo tempo que apresenta as apaixonantes costureiras e alfaiates que dão corpo e forma às criações Dior há mais de 40 anos. Segundo o próprio realizador explica em comunicado, todo o trabalho foi um diálogo entre o passado e o presente.

Tudo o que estava a acontecer perante a objetiva correspondia, quase ao detalhe, ao que Christian Dior descrevera em longos capítulos sobre a criação de uma coleção. Num momento, reconhecia a costureira de que falara, noutro momento aquela situação de tensão. Não há dúvida de que é um monumento ao poder da tradição. A História repete-se”, declara Tcheng.

Com quase 69 anos de história, a Dior ficou para sempre conhecida graças ao seu New Look. O eterno símbolo da casa, criado pelo fundador em 1947, era composto por uma saia cheia, de comprimento médio, cintura bem definida e um busto cheio. Uma reivindicação das silhuetas mais femininas que se tinham perdido durante os anos da segunda guerra mundial. Apesar de criticado na altura, o New Look sobreviveu até aos dias de hoje, até fazer da Dior um império e chegar às mãos de Raf Simons.

DIORANDI_STILL8 jpg

Algumas variações do New Look. © Dior and I

Com as alegrias, os nervosismos e os medos à flor da pele, Dior e Eu oferece um olhar de dentro para fora, numa visão bem próxima e que mostra a faceta humana da indústria da moda.

Na sua estreia no nosso país, o documentário está disponível em simultâneo nas salas de cinema, em DVD e nos videoclubes das televisões.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)