816kWh poupados com a
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

Portugal tem dos pais mais protetores

Este artigo tem mais de 5 anos

Um estudo internacional sobre mobilidade infantil mostra que Portugal está no fim da lista, empatado com a Itália e seguido apenas da África do Sul. Finlândia e Alemanha têm os melhores resultados.

i

Rob Stothard/Getty Images

Rob Stothard/Getty Images

Não deixa o seu filho ir sozinho para a escola? Prefere que a criança vá de carro na sua companhia ou, então, seja levado a pé pela mão do irmão mais velho? É bom saber que é um pai/mãe preocupado/a, mas talvez isso seja um sinal de que não está a preparar o seu filho para a vida adulta. É que condicionar a liberdade de movimentos das crianças pode ter consequências a curto e a longo prazo, tanto no aproveitamento escolar como na saúde.

Já antes Carlos Neto, professor e investigador da Faculdade de Motricidade Humana (FMH), em Lisboa, tinha alertado para o facto de estarmos a criar “crianças totós, de uma imaturidade inacreditável” ao fomentar o sedentarismo, a falta de autonomia e uma linguagem terrorista promotora do “não”. Agora, o assunto volta a estar em cima da mesa.

No passado mês de agosto foi publicado um estudo internacional que compara, muito a propósito, a mobilidade infantil em 16 países — Austrália, Brasil, Dinamarca, Inglaterra, Finlândia, França, Alemanha, Irlanda, Israel, Itália, Japão, Noruega, Portugal, África do Sul, Sri Lanka e Suécia. Portugal está na cauda da lista, lado a lado com a Itália e exatamente antes da África do Sul. Conclusão? Temos dos pais mais severos no mundo. 

mobilidade_infantil

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Temos um bom clima, um nível de segurança que é dos melhores da Europa, temos uma natureza e uma cultura interessantíssimas e estamos a desperdiçar essa possibilidade. As crianças já não contactam com a natureza, já não saem à rua, desapareceram e, muitas vezes, o tempo que restava à criança para poder fazer isto tudo está restringido.” Carlos Neto em entrevista ao Observador

O estudo internacional, Independent Mobility: An International Comparison (Mobilidade Independente: Um a Comparação Internacional), foi desenvolvido pelo Policy Studies Istitute e integra pesquisa conduzida nos próprios países — o estudo português, de nome Independência de Mobilidade das Crianças, data de 2012.

A comparação internacional contou com a participação de 18,303 crianças entre os sete e os 15 anos, bem como um subconjunto formado pelos respetivos pais, e abrange um período de investigação de dois anos (de 2010 a meados de 2012). A análise permitiu concluir que a mobilidade dos mais novos varia muito nos 16 países estudados. Eis as principais conclusões (por pontos e em gráficos):

  • Os níveis reduzidos de mobilidade das crianças representam uma realidade comum, com restrições significativas em crianças de todas as idades (dos sete aos 15 anos). Apesar disso, as limitações são maiores entre crianças com menos de 11 anos;
  • Os pais têm receio de deixar as crianças movimentarem-se sozinhas e apresentam os perigos relacionados com o trânsito como a principal preocupação;
  • O país que apresenta melhores resultados é a Finlândia, seguida da Alemanha, Noruega, Suécia, Japão e Dinamarca. Juntos, estes países representam o top 5 tendo em conta a comparação internacional;
  • Pelo contrário, os países com os níveis de mobilidade mais baixos são França, Israel, Sri Lanka, Brasil, Irlanda, Austrália, Portugal e Itália (empatados) e África do Sul.
 
Assine o Observador a partir de 0,18€/ dia

Não é só para chegar ao fim deste artigo:

  • Leitura sem limites, em qualquer dispositivo
  • Menos publicidade
  • Desconto na Academia Observador
  • Desconto na revista best-of
  • Newsletter exclusiva
  • Conversas com jornalistas exclusivas
  • Oferta de artigos
  • Participação nos comentários

Apoie agora o jornalismo independente

Ver planos

Oferta limitada

Apoio ao cliente | Já é assinante? Faça logout e inicie sessão na conta com a qual tem uma assinatura

Ofereça este artigo a um amigo

Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

A enviar artigo...

Artigo oferecido com sucesso

Ainda tem para partilhar este mês.

O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

Aconteceu um erro

Por favor tente mais tarde.

Atenção

Para ler este artigo grátis, registe-se gratuitamente no Observador com o mesmo email com o qual recebeu esta oferta.

Caso já tenha uma conta, faça login aqui.

Vivemos tempos interessantes e importantes

Se 1% dos nossos leitores assinasse o Observador, conseguiríamos aumentar ainda mais o nosso investimento no escrutínio dos poderes públicos e na capacidade de explicarmos todas as crises – as nacionais e as internacionais. Hoje como nunca é essencial apoiar o jornalismo independente para estar bem informado. Torne-se assinante a partir de 0,18€/ dia.

Ver planos