Pais e Filhos

Portugal tem dos pais mais protetores

1.445

Um estudo internacional sobre mobilidade infantil mostra que Portugal está no fim da lista, empatado com a Itália e seguido apenas da África do Sul. Finlândia e Alemanha têm os melhores resultados.

Rob Stothard/Getty Images

Não deixa o seu filho ir sozinho para a escola? Prefere que a criança vá de carro na sua companhia ou, então, seja levado a pé pela mão do irmão mais velho? É bom saber que é um pai/mãe preocupado/a, mas talvez isso seja um sinal de que não está a preparar o seu filho para a vida adulta. É que condicionar a liberdade de movimentos das crianças pode ter consequências a curto e a longo prazo, tanto no aproveitamento escolar como na saúde.

Já antes Carlos Neto, professor e investigador da Faculdade de Motricidade Humana (FMH), em Lisboa, tinha alertado para o facto de estarmos a criar “crianças totós, de uma imaturidade inacreditável” ao fomentar o sedentarismo, a falta de autonomia e uma linguagem terrorista promotora do “não”. Agora, o assunto volta a estar em cima da mesa.

No passado mês de agosto foi publicado um estudo internacional que compara, muito a propósito, a mobilidade infantil em 16 países — Austrália, Brasil, Dinamarca, Inglaterra, Finlândia, França, Alemanha, Irlanda, Israel, Itália, Japão, Noruega, Portugal, África do Sul, Sri Lanka e Suécia. Portugal está na cauda da lista, lado a lado com a Itália e exatamente antes da África do Sul. Conclusão? Temos dos pais mais severos no mundo. 

mobilidade_infantil

Temos um bom clima, um nível de segurança que é dos melhores da Europa, temos uma natureza e uma cultura interessantíssimas e estamos a desperdiçar essa possibilidade. As crianças já não contactam com a natureza, já não saem à rua, desapareceram e, muitas vezes, o tempo que restava à criança para poder fazer isto tudo está restringido.” Carlos Neto em entrevista ao Observador

O estudo internacional, Independent Mobility: An International Comparison (Mobilidade Independente: Um a Comparação Internacional), foi desenvolvido pelo Policy Studies Istitute e integra pesquisa conduzida nos próprios países — o estudo português, de nome Independência de Mobilidade das Crianças, data de 2012.

A comparação internacional contou com a participação de 18,303 crianças entre os sete e os 15 anos, bem como um subconjunto formado pelos respetivos pais, e abrange um período de investigação de dois anos (de 2010 a meados de 2012). A análise permitiu concluir que a mobilidade dos mais novos varia muito nos 16 países estudados. Eis as principais conclusões (por pontos e em gráficos):

  • Os níveis reduzidos de mobilidade das crianças representam uma realidade comum, com restrições significativas em crianças de todas as idades (dos sete aos 15 anos). Apesar disso, as limitações são maiores entre crianças com menos de 11 anos;
  • Os pais têm receio de deixar as crianças movimentarem-se sozinhas e apresentam os perigos relacionados com o trânsito como a principal preocupação;
  • O país que apresenta melhores resultados é a Finlândia, seguida da Alemanha, Noruega, Suécia, Japão e Dinamarca. Juntos, estes países representam o top 5 tendo em conta a comparação internacional;
  • Pelo contrário, os países com os níveis de mobilidade mais baixos são França, Israel, Sri Lanka, Brasil, Irlanda, Austrália, Portugal e Itália (empatados) e África do Sul.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: acmarques@observador.pt
Pais e Filhos

O lado feminino dos homens /premium

Eduardo Sá
107

Pergunto-me o que é que aconteceria se nós chamássemos ao "lado de leoa" duma mãe, por exemplo, "o lado masculino" de uma mulher. Tenho medo que, de dedo em riste, alguém achasse sexista…

Pais e Filhos

Facilitar a vida às mães /premium

Maria João Marques
173

No primeiro filho uma proporção semelhante de pais e mães teve um acréscimo de felicidade. Depois do segundo filho os pais tiveram igualmente um acréscimo de felicidade, mas muito menos mães o tiveram

Família

Filhos de cabeceira /premium

Laurinda Alves
2.080

Trazer os pais para casa nunca é fácil, sobretudo para eles, mas muito mais importante do que a perturbação que esta decisão provoca no interior das famílias, é o equilíbrio que lhes devolve a eles.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)