Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

O principal partido da oposição grega, a Nova Democracia, tinha as suas eleições agendadas para este domingo. Mas estas não chegaram a ser realizadas.

Foram relatados vários problemas técnicos em muitas das assembleias de voto que impediam os militantes de consumarem o respetivo voto. O comité eleitoral do partido decidiu depois cancelar o sufrágio em cima da hora.

Depois de dois meses a preparar estas eleições, cita o Wall Street Journal, o partido alegou que a empresa que forneceu o sistema “não cumpriu com as suas obrigações contratuais”.

O atual líder e principal favorito à vitória, Vagelis Meimarakis, chegou mesmo a ameaçar com a demissão se as eleições não se realizassem – mesmo com os problemas técnicos registados. Esta situação já provocou pedidos de demissão e de nomeação de um líder interino até à nova data das eleições, por parte dos outros dois candidatos Kyriakos Mitsotakis e Apostolos Tzitzikostas.

A Nova Democracia liderou os destinos da Grécia até ao início de 2015, momento em que o Syriza de Alexis Tsipras subiu ao poder.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR