Tunísia

Estado Islâmico reivindica atentado na Tunísia

O movimento terrorista Estado Islâmico diz que um dos seus membros fez-se explodir dentro do autocarro que transportava a guarda presidencial. Pelo menos 13 pessoas morreram.

Um polícia controla o trânsito depois de um atentado na capital na Tunísia em Março deste ano.

AFP/Getty Images

Autor
  • Nuno André Martins

O grupo terrorista Estado Islâmico reivindicou o atentado a um autocarro que transportava a guarda presidencial em Tunes e no qual morreram 13 pessoas.

Em comunicado, o grupo diz que o ataque foi perpetrado por Abou Abdallah al-Tounissi, que, munido de um cinto de explosivos, fez-se explodir dentro do autocarro.

A explosão aconteceu na rua mais famosa de Tunes, capital da Tunísia, numa altura em que o autocarro passava pela sede do partido do presidente deposto Zine El Abidine Bem Ali.

A Tunísia tem sido palco, nos últimos tempos, de vários atentados terroristas orquestrados por grupos islâmicos radicais, nomeadamente o Estado Islâmico.

Berço da chamada Primavera Árabe em 2011, que levou à queda de Ben Ali no poder há 23 anos, a Tunísia tem sofrido uma grande instabilidade.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)