Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Uma empresa de segurança informática terá identificado cerca de 700 amostras de código malicioso (malware) para telemóveis iPhone e BlackBerry. Segundo avança o portal G1, esses programas estarão a ser utilizados por criminosos para roubar indiretamente dados destes aparelhos, usando as cópias de segurança feitas por programas de computador como o iTunes (no caso dos iPhone) e o BlackBerry Desktop Software (para telemóveis BlackBerry).

A empresa é a Palo Alto Networks que terá revelado a existência de seis famílias de programas deste tipo — uma família de malware é uma série de códigos maliciosos com funcionamento diferente dos demais, explica o G1. Estes métodos de interceção de dados estarão a ser explorados há pelo menos cinco anos e foram identificados em 30 países.

Trocando por miúdos: quando liga o iPhone ao computador, o iTunes pode gerar uma cópia local das fotografias e vídeos, ou de ficheiros com informações como o histórico de chamadas, mensagens, e-mails e uma série de outros dados privados. Os programas maliciosos encontram-se instalados no computador e desviam esse conteúdo, roubando-o. No caso dos telemóveis BlackBerry, o roubo é feito de forma semelhante.

Segundo a empresa, uma forma de prevenir estes ataques nos dispositivos da Apple é ligar a encriptação das cópias de segurança do iTunes (encrypted backups). Assim, ainda que seja alvo de um destes ataques, os seus dados estarão criptografados e, à partida, não poderão ser acedidos por terceiros.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR