“Eu sou uma pessoa frágil. Caí [sobre ela] mas nada aconteceu, entre mim e esta rapariga nada aconteceu”. As declarações, citadas pelo jornal The Telegraph, foram parte da defesa do milionário saudita de 46 anos, Ehsan Abdulaziz, acusado – e agora absolvido – de ter violado uma jovem de 18 anos, em sua casa.

Os dois conheceram-se numa festa que decorreu numa discoteca londrina, intitulada Cirque le Soir, a 7 de agosto de 2014. A jovem encontrava-se com uma amiga, e ambas juntaram-se à sua mesa privada. Daí, saíram os três em direção à casa de Ehsan Abdulaziz, onde, segundo o jornal britânico, estiveram a beber vodka.

Ehsan Abdulaziz levou, então, a amiga da jovem até ao seu quarto, onde tiveram relações sexuais consensuais. O pior veio depois: a jovem que o acusa de violação, e que dormia no sofá, alegou que acordou com o milionário saudita a tentar violá-la, e fez queixa do mesmo.

O acusado, por sua vez, ripostou: e afirmou ter caído acidentalmente sobre a jovem, quando a foi acordar ao sofá. Segundo Ehsan Abdulaziz, só se dirigiu à jovem para a acordar e perguntar se queria uma t-shirt para dormir, ou se precisava de dinheiro para um táxi, que a levasse até casa.

Segundo Abdulaziz, a jovem puxou-o então para cima de si, tentando seduzi-lo, e terá sido assim que caiu sobre ela, provocando o contacto sexual que, mais tarde, levaria a que o seu ADN fosse encontrado no corpo da jovem. Os argumentos convenceram a juíza Martin Griffiths, e Ehsan Abdulaziz foi absolvido após um julgamento que durou apenas 30 minutos.