Rádio Observador

Educação

CNE defende provas de aferição no 4.º ano e a criação de mais um teste de literacia científica no 9.º ano

746

O Conselho Nacional de Educação sugere que voltem as provas de aferição no final de 1.º ciclo, mas está contra o fim da prova final do 6.º ano e aconselha mais um exame no final do 9.º ano.

David Justino repetiu várias vezes que a avaliação externa é muito importante

Steven Governo / Global Imagens

O Conselho Nacional de Educação (CNE) preferia que as provas finais de 4.º ano se mantivessem com alguns ajustamentos, mas uma vez que o Parlamento já aprovou, na generalidade, o fim destas provas, o órgão consultivo do Ministério da Educação sugere, em alternativa, num parecer sobre o fim das provas finais de 4.º ano, que se regresse às provas de aferição, que não contam para a nota final dos alunos. Além disso, o CNE defende a manutenção das provas finais do 6.º ano e dos exames de 9.º ano, sugerindo mesmo que “se pondere” a introdução de uma nova prova no final do terceiro ciclo, de literacia científica.

“A existência de avaliação externa no final de cada ciclo é um dado adquirido, independentemente do tipo de prova, e que nós entendemos que não deve ser desperdiçado. É preciso ter elementos de avaliação externa“, defendeu o presidente do CNE, o ex-ministro David Justino, durante a apresentação do parecer, para logo acrescentar que “os efeitos benéficos da avaliação externa são claramente identificáveis”, e explicar que a avaliação externa serve para identificar diferenças de aprendizagens e problemas, e assim melhorar aprendizagens e ajudar às decisões políticas.

Optar por provas finais (com peso de 30% na nota final) ou provas de aferição (que não contam para a nota) é “uma escolha política”, frisou o ex-governante, explicando que a grande vantagem de escolher as provas finais tem a ver com o “grau de mobilização” que é muito maior no caso das provas que contam para a nota.

Sobre o projeto de lei do PCP que propõe o fim das provas finais e exames no 6.º e 9.º anos, o CNE defende que “estas provas possam manter-se”, sujeitas a melhorias, “especialmente as provas do 6º ano”. E de entre o conjunto de constrangimentos associados à realização de provas finais no 1.º e 2. ciclos de escolaridade, que o CNE defende que sejam corrigidos, destacam-se o facto das provas se realizarem antes do término do ano letivo e de “uma parte significativa” dos alunos terem de se deslocar a outras escolas para fazerem estes exames. Além disso o CNE critica o “excesso de formalismo na aplicação das provas” – com a leitura dos procedimentos a observar durante a sua realização – e nota o “reduzido impacto” das segundas fases nestas provas.

E não só o CNE é contra o fim dos exames no 9.º ano, como sugere que se “pondere a realização de uma terceira prova de avaliação externa, de caráter sumativo, visando a avaliação de conhecimento e competências no domínio da literacia científica“, como forma de “valorizar outras áreas de conhecimentos” como a ciência e até a geografia, que têm sido “desvalorizadas” pela “excessiva importância que tem sido dada ao português e à matemática”, explicou David Justino.

O CNE sugere ainda “que se faça um esforço de investimento adicional na formação contínua de professores, especialmente em domínios do desenvolvimento curricular e da avaliação das aprendizagens”. Isto é, formar os professores para que estes “utilizem diferentes instrumentos de avaliação”, como resolução de pequenos problemas. “Notámos que o excesso de utilização da técnica dos testes na avaliação interna pode ser prejudicial”, explicou David Justino.

Provas finais contam pouco para a nota

David Justino, citando o relatório técnico que acompanhou a elaboração deste parecer, frisou que “a aplicação da ponderação de 30% às classificações nas provas de português e matemática tem um efeito residual na classificação final dos alunos“. A proporção de alunos que tendo obtido classificação interna positiva obtêm classificação final negativa por causa das provas situa-se entre 0,3% e 1,9%. Se fizermos este raciocínio para a retenção, então aí “o contributo é ainda mais reduzido”. Para eliminar por completo o impacto das provas finais na classificação final e na retenção bastaria reduzir o peso das provas, de 30 para 25% na nota.

“O exame ou a prova contam pouco para a nota. O problema não está necessariamente na prova, mas na importância que lhe damos”, afirmou o ex-ministro, aproveitando para criticar a “dramatização social” que existe em torno destes elementos de avaliação externa. “A avaliação não serve nem para castigar, nem para descriminar.”

Este parecer do CNE é conhecido na véspera do anúncio da decisão final do Ministério da Educação sobre a avaliação externa no 1.º, 2.º e 3.º ciclos de ensino, que deverá chegar até ao final desta semana.

Lembre-se que o Programa de Governo apenas fala em “reavaliar a realização de exames nos primeiros anos de escolaridade”. David Justino sublinha que por “primeiros anos de escolaridade” se deve entender o 1.º ciclo.

(Artigo atualizado pela última vez às 18h20)

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)