Rádio Observador

Astrofísica

Uma supernova 570 mil milhões de vezes mais brilhante que o Sol

A explosão da estrela ASASSN-15lh a 3.800 milhões de anos-luz da Terra bateu o recorde luminosidade alguma registado: 50 vezes mais brilhante do que a Via Láctea.

Ilustração da supernova superluminosa ASASSN-15lh vista de um exoplaneta na galáxia onde está localizada

Beijing Planetarium/Jin Ma

Autor
  • Agencia Sinc

Em astronomia é normal que se superem recordes de distância, tamanho, energia e outros parâmetros dos corpos celestes, mas agora os cientistas ficaram atónitos perante o brilho alcançado pelo que julgam ser uma supernova – já de si um dos fenómenos mais poderosos do universo. A explosão da estrela que observaram é 200 vezes maior do que o das supernovas típicas e a sua luminosidade dobra o recorde anterior detetado nestes objetos celestes.

No pico de intensidade, a supernova ASASSN-15lh brilhou 570 mil milhões de vezes mais que o Sol, quase 50 vezes mais que toda a Via Láctea. Isto supõe um nível de luminosidade que equivale a 20 vezes o que produziriam 100 mil milhões de estrelas da nossa galáxia. O achado surpreendente foi apresentado esta semana pela revista Science.

A ASASSN-15lh é a mais potente de supernova descoberta em toda a história da humanidade”, destaca o autor principal do artigo, Subo Dong, professor no Instituto Kavli de Astronomia e Astrofísica (KIAA) da Universidade de Pequim (China).

Esta explosão sem precedentes considera-se um excelente exemplo das denominadas “supernovas superluminosas”, uma variedade rara de supernovas que aparecem depois da morte de algumas estrelas. Neste caso trata-se de uma das mais próximas jamais vista, a cerca de 3,8 mil milhões de anos-luz de distância.

No entanto, os cientistas estão francamente perdidos em relação a que tipo de estrelas e cenários poderiam ser responsáveis por estas supernovas extremas. “O mecanismo e fonte de energia da explosão permanecem um mistério, porque todas as teorias conhecidas enfrentam sérios desafios para explicar a imensa quantidade de energia irradiada pela ASASSN-15lh”, disse Subo Dong.

Uma das hipóteses mais aceite é que a enorme energia das supernovas superluminosas venha de “magnetares”, estrelas de neutrões altamente magnetizadas que giram muito rápido e cujos núcleos hipercomprimidos se supõe que resultem de estrelas enormes que explodiram.

No entanto, a ASASSN-15lh é tão poderosa que este cenário do “magnetar” não apresenta a energia necessária. Os investigadores interrogam-se como é que um objeto, que especulam que tivesse pouco mais de 17 quilómetros de largura no seu centro, pode desencadear uma explosão mais brilhante do que a Via Láctea.

“Se for realmente um ‘magnetar’, é como se a natureza pegasse em tudo o que sabemos sobre ‘magnetares’ e lhe desse um 11 numa escala de 1 a 10”, disse Krzysztof Stanek, co-autor do estudo e investigador na Universidade Estatal de Ohio. As supernovas como ASASSN-15lh poderiam surgir a partir do desaparecimento de estrelas incrivelmente enormes que vão além do mais alto nível de massa que a maioria dos astrónomos especula que poderia ser alcançado.

A resposta honesta é que não sabemos o que pode ser a fonte de energia da ASASSN-15lh”, recohece Subo Dong, que acrescenta: “Este objeto pode ajudar a trazer novas ideias e observações do grupo das supernovas superluminosas, e esperamos que possamos encontrar muitos mais nos próximos anos. “

Texto original aqui.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)