Rádio Observador

História

Monumentos, palácios e museus com mais meio milhão de visitantes em 2015

Os monumentos, palácios e museus, sob a tutela da Direção-Geral do Património Cultural (DGPC), foram visitados, no ano passado, por mais de quatro milhões de pessoas, o que reflete um aumento anual de meio milhão de visitantes, anunciou hoje a instituição.

ANTÓNIO COTRIM/LUSA

Os monumentos, palácios e museus, sob a tutela da Direção-Geral do Património Cultural (DGPC), foram visitados, no ano passado, por mais de quatro milhões de pessoas, o que reflete um aumento anual de meio milhão de visitantes, anunciou hoje a instituição.

Segundo os dados divulgados pela DGPC, no total registaram-se 4.055.968 visitas, em 2015, o que traduz um aumento de 13,4%, relativamente a 2014, e de mais de um terço (34%), em relação ao número total de visitantes de 2010 (3.017.000), o que representa um crescimento médio anual de 6,8%, nos últimos seis anos (2010 a 2015, inclusive).

Segundo a mesma fonte, do conjunto de equipamentos – monumentos, palácios e museus – o Mosteiro dos Jerónimos, em Lisboa, foi o equipamento cultural da DGPC mais visitado no ano passado, com 943.831 entradas, seguindo-se a vizinha Torre de Belém (607.836 visitantes) e, em terceiro lugar, o Museu Nacional dos Coches, também próximo, que recebeu 346.718 visitantes.

Em quarto lugar, surge o primeiro equipamento fora de Lisboa, o Mosteiro da Batalha, na região centro, que recebeu 330.047 visitantes, e o quinto mais visitado foi o Palácio Nacional de Mafra, nos arredores de Lisboa, com 301.461 entradas.

Os monumentos, como mosteiros e conventos, foram os mais visitados em 2015, com 2.435.147 entradas registadas, seguindo-se os museus – 1.251.715 visitantes -, e em terceiro lugar, os palácios com 369.106 visitantes.

As taxas de crescimento, relativamente a 2014, das visitas a monumentos, museus e palácios são próximas, situando-se todas acima dos 10%: Os monumentos, com 14,6%, os palácios, com 12,6%, e os museus, 11,4%.

Relativamente, à taxa média anual, tendo em conta os últimos seis anos – 2010/2015, inclusive – os monumentos cresceram 7,2%, os museus 6,8% e os palácios 4,5%.

Em 2015, os monumentos portugueses foram visitados por mais 260 mil estrangeiros do que em 2014. Em 2015, os monumentos portugueses foram visitados por 2.059.029 estrangeiros e por 376.118 cidadãos nacionais.

No ano passado, o Mosteiro dos Jerónimos foi, entre os monumentos, o mais visitado, seguido pela Torre de Belém e o Mosteiro da Batalha. Em quarto lugar ficou o Convento de Cristo, em Tomar (254.313 visitantes), seguindo-se o Mosteiro de Alcobaça (198.406) e o Panteão Nacional, em Lisboa, com 100.714.

Os museus sob tutela da DGPC foram visitados, em 2015, por 1.251.715 pessoas, mais 127 mil do que em 2014. Os portugueses que visitaram museus em 2015 totalizaram 647.513, um acréscimo de cerca de 30.000, relativamente ao ano anterior, e os visitantes estrangeiros dos museus somaram 604.202, em 2015, quase mais 90.000 do que em 2014.

O museu mais visitado foi o dos Coches, seguido pelo de Arte Antiga, com 163.788 visitantes, e, em terceiro, o do Azulejo, com 132.716 visitantes, todos em Lisboa.

O Museu Nacional dos Coches inaugurou no ano passado um novo edifício, junto ao antigo espaço expositivo, e as entradas no primeiro fim de semana foram gratuitas. Este museu registou a mais elevada taxa percentual de crescimento — 67,6% -, relativamente a 2014, e também a mais elevada desde 2010 (67,8%).

O ‘top’ cinco dos museus mais visitados completa-se com o Museu Nacional de Arqueologia, em Lisboa, com 109.895 visitas, e o Museu de Conímbriga, próximo de Condeixa-a-Nova, com 87.659 entradas.

Muito próximo do museu de arte romana, em termos de total de visitantes, está o Museu Nacional Grão-Vasco, em Viseu, com 86.371 visitantes, seguindo-se os nacionais Machado de Castro, em Coimbra, com 77.059 entradas, e o Soares dos Reis, no Porto, com 54.407 visitas.

O ‘top’ dez dos museus nacionais, em 2015, completa-se com dois outros museus de Lisboa: o Museu Nacional de Arte Contemporânea – Museu do Chiado, recentemente alargado a um novo espaço expositivo, com 51.354 entradas, e o Museu Nacional do Traje, que somou 44.494 visitantes, no ano passado.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
História

O azar do museu Salazar /premium

P. Gonçalo Portocarrero de Almada
270

A ignorância e o fanatismo, que estão na origem dos totalitarismos, combatem-se com a verdade e o conhecimento. A ditadura não se vence com a ignorância, mas com a ciência.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)