Livros

Henrique Raposo alvo de fúria no Facebook

1.845

Autor do livro "Alentejo Prometido", Henrique Raposo, está a ser alvo de vários insultos através da internet depois de ter estado na SIC Radical. O lançamento do livro mudou de sítio e a PSP alertada.

Henrique Raposo está a ser acusado de não conhecer o Alentejo

Autores
  • Catarina Marques Rodrigues

O autor do livro “Alentejo Prometido”, Henrique Raposo, está a ser alvo de uma onda de insultos através da internet depois das declarações sobre o Alentejo que fez no programa televisivo “Irritações” da SIC Radical. O lançamento do livro deverá ser vigiado de perto pela PSP, caso a a polícia entenda que o também colunista corre perigo.

Um dos capítulos do livro de Henrique Raposo foi pré-publicado no Observador a 13 de fevereiro. Mas foi a presença do autor do livro no programa de Pedro Boucherie Mendes, “Irritações” na SIC Radical, que causou polémica e gerou centenas de comentários a insultar o autor. Tudo por causa das respostas que deu a Pedro Boucherie Mendes quando este lhe perguntou porque decidiu escrever o livro.

Raposo explicou que os pais nasceram no Alentejo e vieram para Lisboa. E por isso sente-se na “terra de ninguém”. “É por isso que eu percebo os terroristas que nasceram cá” (referindo-se à Europa), comparou. “Quando pensei em fazer o livro (…) pensei reencontrar as minhas raízes alentejanas”, disse, explicando que o livro funcionou com uma espécie de “redenção”. Acaba por dizer que Alentejo “é a terra da desconfiança”, lembra como o suicídio “é um fenómeno natural” para os alentejanos e a como foi dura a educação dos pais. A “cultura do suicídio” e a “desconfiança” são o que mais critica no Alentejo.

Os comentários ao vídeo do programa multiplicaram-se, os insultos subiram de tom em blogues e nas redes Sociais. No Facebook foi mesmo criado um grupo público de nome “Henrique Raposo – O inimigo nº 1 do Algarve e Alentejo” que conta, já, com mais de 10 mil pessoas. Há, até, imagens de leitores a queimar o livro que Henrique Raposo escreveu.

Henrique Raposo recusa falar sobre o que está acontecer. Mas numa longa publicação na sua página de Facebook já anunciou a sua retirada das redes sociais. “Depois disto tudo acabar, uma coisa é certa: sairei mesmo da internet – o que não é o mesmo que sair do mundo”, escreveu esta terça-feira Henrique Raposo na sua página de Facebook.

A polémica atingiu uma dimensão tal que o responsável pela galeria onde deveria decorrer o lançamento do livro apressou-se a desmarcar o evento. À Sábado explicou porquê: “Não tem a ver com o conteúdo do livro mas com a polémica em que não queremos estar envolvidos”, disse João Saião Lopes, um dos sócios da Galeria Tintos e Tintas, em Lisboa.

A Fundação Francisco Manuel dos Santos remarcou a cerimónia de lançamento para a livraria Bertrand em Picoas, no próximo dia 8 de março pelas 18h30 e, ao que o Observador apurou, solicitou um pedido de ajuda ao Comando da PSP de Lisboa.

Foi um pedido informal para avaliar o que se estava a passar. Estamos a tentar perceber se o autor está em perigo e se é necessário um reforço de segurança no local do lançamento do livro”, disse fonte da PSP.

“Não se responde a uma multidão ou multidões que me acusam não sei do quê. Isto é uma espécie de tribunal popular e eu não me vou sentar no banco dos réus”, escreveu, ainda, Henrique Raposo na sua página pessoal do Facebook – de onde diz que vai sair “depois disto tudo acabar”. O autor recusa responder porque, considera, não existem argumentos em acusações como “és uma besta” e “não sabes nada do Alentejo”.

O autor via a rede social Facebook como um espaço de “paródia” e “bloco de apontamentos”. “Mas também é uma porta de entrada para muita coisa má”, disse.

O Observador tentou falar com Pedro Boucherie Mendes, mas até ao momento ainda não foi possível chegar à fala com o apresentador. Boucherie Mendes, no entanto, já se manifestou via Twitter.

(Texto atualizado às 20h30)

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: ssimoes@observador.pt
Futuro

Homo Deus? /premium

André Abrantes Amaral
111

Não sendo nós mais que uma soma de algoritmos, tendo Deus morrido, o que resta então? Qual o sentido da vida? E se não somos livres, o espaço ideológico para os totalitarismos volta a estar em aberto.

Conflitos

Mediterrâneo

Luis Teixeira

Huntington defendeu, como Braudel, que a realidade de longa duração das civilizações se sobrepõe a outras realidades, incluindo os Estados-nação em que se supôs que a nova ordem mundial iria assentar.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)