A investigação do processo Marquês enviou uma carta rogatória às autoridades brasileiras por suspeita de pagamento de luvas no valor de 300 milhões de euros no negócio da fusão entre a Portugal Telecom e a Oi, empresa de telecomunicações brasileira.

A informação é avançada pela edição de domingo do Correio da Manhã, que diz que a carta rogatória visa, entre outros, o ex-primeiro-ministro, José Sócrates, e o ex-Presidente do Brasil Lula da Silva. Ambos estão a ser investigados em processos distintos — Sócrates, no processo Marquês, em Portugal; Lula da Silva no processo Lava-Jato, no Brasil.

Segundo o mesmo jornal, a investigação procura crimes de corrupção e também pagamentos pela intermediação do negócio. O Correio da Manhã diz ainda que terão sido vários os titulares de cargos públicos a receber os referidos 300 milhões de euros.

Existe a hipótese de a investigação desta “pista” passar a decorrer de forma autónoma do processo Marquês.

Em julho do ano passado, o jornal Público já tinha escrito sobre a possibilidade de o Ministério Público estar a investigar a compra da Oi pela PT. As suspeitas incidiam em possíveis benefícios financeiros concedidos a acionistas, quadros de topo das operadoras e a governantes portugueses e brasileiros, incluindo Lula e Sócrates.

Esta semana, o DCIAP definiu 15 de setembro como data-limite para ser conhecida a acusação do caso em torno do ex-primeiro-ministro José Sócrates, suspeito de corrupção passiva para ato ilícito, fraude fiscal qualificada e branqueamento de capitais.