O Ministério Público acusou o agente da PSP pelo episódio de agressão a um adepto no Estádio D. Afonso Henriques (Guimarães), a 17 de maio de 2015, de dois crimes de ofensa à integridade física qualificada, dois crimes de falsificação de documento e dois crimes de denegação de justiça e prevaricação, avança o Público. A decisão é fundamentada pelo facto de o polícia Filipe Silva “ter elaborado auto de notícia e relatório de uso de meios coercivos de baixa potencialidade letal, fazendo constar de tais elementos factos que não correspondiam à verdade”, pode ler-se no site da Procuradoria-Geral Distrital do Porto.

Filipe Silva foi filmado pelas câmaras do Correio da Manhã a agredir um homem de Matosinhos à frente do filho, primeiro com um bastão longo e depois por um outro de aço. Enquanto o avô também era agredido, um outro agente protegeu a criança e levou-a para longe, de modo a que o menino não visse a cena de pancadaria junto ao estádio A Procuradoria-Geral Distrital do Porto explica que estes bastões não podem ser utilizadas em circunstâncias como estas: são normalmente usadas para partir vidros ou em situações de potencial de agressão muito grandes. Mas essa informação foi ocultada pelo polícia nos relatórios que apresentou às autoridades.