Rádio Observador

Ministério do Ambiente

Ambientalistas e autarcas contestam revisão do Programa Nacional de Barragens

148

O ministro do Ambiente anunciou o cancelamento de empreendimentos que já tinham caído por decisão das entidades promotoras, mas mantém barragens que terão custos elevados para o país.

A barragem de Foz Tua é um dos empreendimentos contestados pelos ambientalistas

MANUEL TELES/LUSA

O Ministro do Ambiente, João Matos Fernandes, anunciou, esta terça-feira, o cancelamento das barragens de Alvito e Girabolhos e a suspensão de Fridão no âmbito da revisão do Programa Nacional de Barragens (PNB). No entanto, o GEOTA (Grupo de Estudos de Ordenamento do Território e Ambiente) e a LPN (Liga para a Protecção da Natureza) acusam o Governo de farsa.

“Nem autarcas, nem associações de defesa do ambiente ou desenvolvimento local foram envolvidos no processo ou tiveram oportunidade para discutir o relatório”, escrevem num comunicado de imprensa conjunto as duas associações. “O Governo apenas negociou com as elétricas e acabou por decidir exclusivamente em nome dos interesses dessas empresas e não em nome do interesse nacional.”

As associações ambientalistas congratulam-se com o facto de pela primeira vez, deste 2007, ter sido feito um exercício de avaliação do Programa Nacional de Barragens de Elevado Potencial Hidroelétrico e consideram positivo o cancelamento definitivo da construção dos empreendimentos hidroelétricos de Alvito, no rio Ocreza, e Girabolhos-Bogueira, no rio Mondego, mas mostram que as decisões não são recentes nem resultam da revisão do PNB.

  • A ideia da construção da barragem do Alvito já tinha caído, em 2011, por decisão da EDP, mas a decisão só agora foi conhecida, refere o comunicado;
  • O aproveitamento da hidroelétrica de Girabolhos-Bogueira cai por decisão da concessionária Endessa e sem intervenção do Estado, dizem as associações.

Os presidentes das câmaras das regiões interessadas também reclamam o facto de não terem sido ouvidos nas decisões relativas à revisão do PNB. “Exige-se ao Governo e ao Grupo Endesa um conjunto de medidas de compensação para as comunidades atingidas com esta decisão, uma vez que, durante décadas, foram criadas altas expectativas sobre o projeto”, referem os presidentes das câmaras de Seia, Gouveia, Nelas e Mangualde, num comunicado conjunto, citado pelo Jornal de Notícias. A concelhia do PS de Seia criticou o “comportamento incompreensível e inaceitável que ignora as regras básicas de cordialidade e o princípio do dever de lealdade e respeito institucional entre entidades legítimas”.

GEOTA e LPN apontam ainda outros problemas nesta revisão do PNB. A viabilidade económica do Fridão está comprometida desde maio de 2015 e o ministro do Ambiente reconheceu que a hidroelétrica não tem interesse para o sistema elétrico nacional, mas as populações de Amarante e das Terras de Basto terão de passar pelo menos mais três anos sem puderem usar os terrenos que poderiam vir a fazer parte da albufeira.

O ministro do Ambiente autorizou ainda o o avanço das barragens do Sistema do Eletroprodutor do Tâmega (Daivões, Gouvães e Alto Tâmega) com o argumento de que as obras já começaram. “É falso“, afirmam as associações ambientalistas. “Não há obras significativas nem qualquer intervenção nos cursos de água (Tâmega e Torno/Louredo). Em Daivões e Alto Tâmega a montagem de estaleiros e abertura/melhoramento de acessos começou a ser feita apenas em janeiro de 2016, já depois de o Governo ter anunciado que a reavaliação do PNBEPH abrangeria apenas as obras que não se tinham iniciado. Em Gouvães não há qualquer intervenção”, escrevem em comunicado.

No comunicado emitido pela GEOTA e LPN, as associações ambientalistas apontam os impactos que estas barragens podem ter.

  • Uma avaliação às barragens de Foz Tua, Fridão e Sistema Eletroprodutor do Tâmega (SET) aponta que produzirão apenas 0,4% da energia do país (2% da eletricidade);
  • GEOTA e LPN estimam que os custos para o país e consumidores sejam 30 vezes superiores aos custos da denúncia dos contratos do Fridão e Tâmega;
  • Mantendo a construção do Fridão e SET, o Governo autoriza a EDP e a Iberdrola a tirar às famílias portuguesas 10,4 mil milhões de euros – equivalente a um acréscimo médio na fatura elétrica de 5%;
  • Não foram avaliados os impactos cumulativos de todas estas barragens na degradação da qualidade da água, nos obstáculos à conectividade dos ecossistemas, na erosão costeira, no microclima que afetará a produção de vinho;
  • A declaração de impacte ambiental do SET caducou em 2010 e a do Fridão em 2013;
  • Não foi equacionada a eliminação dos subsídios à construção das novas barragens que, para as barragens já construídas ou autorizadas, ascenderá a 22 milhões de euros por ano.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: vnovais@observador.pt
PSD

O que é que fizeram à direita? /premium

André Abrantes Amaral

O PSD que vai a votos a 6 de Outubro não é o que governou entre 2011 e 2015. É o PSD de Rui Rio, de Pacheco Pereira e de Ferreira Leite. É o PSD dos que concertadamente comentam realidades virtuais.

Política

8 discursos universais

João Araújo

Os discursos universais são o instrumento que permite inocular grandes doses de narrativa inativada gerando um espaço público pimba ao imunizar as pessoas contra o que realmente conta: a substância.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)