Rádio Observador

Combustível

Combustíveis. Preços subiram 11 cêntimos, imposto baixa um cêntimo

3.115

Ministério das Finanças anunciou descida de um cêntimo no imposto sobre a gasolina e o gasóleo, três meses depois de imposto ter subido 6 cêntimos. Os preços finais subiram 11 cêntimos por litro.

MAFALDA LEITAO/LUSA

O governo vai baixar o imposto sobre os produtos petrolíferos (ISP) em um cêntimo por litro na gasolina e gasóleo. A medida, que terá um efeito imediato nos preços finais — a portaria foi publicada quinta-feira à noite — é decidida três meses depois deste imposto ter sido agravado em seis cêntimos. A decisão corresponde a uma promessa do executivo de baixar o ISP, sempre que a subida do petróleo e do preço final dos combustíveis, permitisse cobrar mais IVA.

Segundo o Ministério das Finanças, a descida agora aprovada do imposto representará uma perda de receita de 44 milhões de euros até ao final do ano, se não se verificarem novas mexidas nas taxas. O executivo espera compensar esta perda com o acréscimo na cobrança de IVA que resulta do aumento do petróleo e do preço final dos combustíveis.

Foi esta política de “neutralidade fiscal” que o executivo prometeu quando anunciou a maior subida do imposto sobre os combustíveis em 16 anos e que deverá trazer aos cofres do Estado mais 360 milhões de euros este ano.

A subida de seis cêntimos no imposto petrolífero foi aplicada em fevereiro de 2016, antecipando a entrada em vigor do Orçamento do Estado de 2016. O impacto no preço final foi ampliado para oito cêntimos pelo facto de o IVA incidir também sobre a componente do imposto petrolífero.

O efeito imediato nas bombas de gasolina acabou por ser mitigado pela conjuntura de desvalorização das cotações do petróleo. No entanto, a medida foi fortemente contestada, sobretudo pelos profissionais do setor dos transportes, a quem foram prometidas medidas de compensação que ainda não estão em vigor.

Durante a apresentação da proposta do Orçamento do Estado, o secretário de Estado dos Assuntos Fiscais, Rocha Andrade, comprometeu-se a baixar o imposto petrolífero, caso o petróleo valorizasse permitindo ao Estado cobrar mais em IVA nos combustíveis. Pelas contas então divulgadas, o ISP poderia baixar por cada 4 a 4,5 cêntimos de subida do preço dos combustíveis.

No entanto, a prometida descida do imposto tardou em ser concretizada, não obstante a recuperação das cotações do petróleo com efeito no aumento dos preços.

Preços subiram 11 cêntimos nas bombas, mas governo tem outras contas

Comparando o preço médio em vigor na semana que antecedeu o agravamento do imposto (a primeira de fevereiro) e o último valor médio mensal disponível (primeira semana de maio), o aumento do preço final ascende a 11 cêntimos por litro na gasolina e no gasóleo, que inclui o efeito do agravamento do imposto.

Se olharmos para a semana seguinte, em que os preços já teriam incorporado o impacto da subida do ISP, o aumento do preço final é de 9 cêntimos na gasolina e de 8 cêntimos no gasóleo. Esta diferença daria em tese margem para baixar o imposto em dois cêntimos, pelo menos na gasolina. As contas têm por base os valores médios semanais comunicados por Portugal à Comissão Europeia e mostram os preços finais, incluindo combustíveis simples e aditivados, que estão a ser pagos pelos automobilistas portugueses.

O comunicado do Ministério das Finanças explica que as contas do governo têm por base não os preços finais pagos pelos consumidores, mas o preço de referência calculado pela Entidade Nacional para o Mercado de Combustíveis (ENMC) e que exclui as componentes de distribuição e comercialização das petrolíferas.

É com base na evolução destes valores, e tendo como ponto de partida o preço médio de referência do mês de janeiro, que se chega às contas agora apresentadas: o preço de referência da gasolina subiu 4,65 cêntimos por litro e o do gasóleo aumentou 3,8 cêntimos por litro.

No diesel, que é o combustível mais vendido em Portugal, a margem definida pelo governo para baixar o imposto ainda não tinha sido alcançada, “porém, atendendo extraordinariamente à tendência verificada nos últimos dias, o governo determina uma redução de 1 cêntimo por litro no imposto aplicável ao gasóleo rodoviário”.

O Ministério das Finanças deixa em aberto a revisão trimestral da tabela do imposto petrolífero, em função da variação dos preços de referência e em nome da neutralidade fiscal. No primeiro trimestre do ano, a receita do imposto petrolífero estava a crescer 15%.

Atualizado com evolução dos preços antes e depois de aumento de imposto.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: asuspiro@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)