A Comissão Europeia propôs esta quarta-feira aos Estados membros que reautorizassem temporariamente, entre 12 a 18 meses, o uso do glifosato enquanto pesticida enquanto a Agência Europeia de Produtos Químicos (ECHA, na sigla inglesa) estuda os possíveis perigos daquele produto. A decisão final será votada pelos Estados membro a 6 de junho.

Esta votação acontece depois de os Estados membros da União Europeia não terem chegado a acordo quando a proposta em cima da mesa foi a reautorização do glifosato, primeiro, por 15 anos, e depois por 9 anos.

Em comunicado, a Comissão Europeia disse ainda que irá fazer três “recomendações claras” aos Estados membros: “1) Banir o aditivo taloamina dos produtos à base de gifosato; 2) Minimizar o uso da substância em parques públicos, parques infantis públicos e jardins; 3) Minimizar o uso de glifosato antes da colheita”.

A Comissão Europeia sublinhou ainda que os Estados membros é que são responsáveis pela aplicação destas medidas.