Poluição

Poluição do ar associada a um terço dos AVC a nível global

A poluição do ar está associada a um terço dos acidentes vasculares cerebrais a nível mundial, conclui um estudo hoje publicado na revista Lancet Neurology, segundo o qual três em cada quatro AVC podiam ser evitados.

epa/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

A poluição do ar está associada a um terço dos acidentes vasculares cerebrais (AVC) a nível mundial, conclui um estudo hoje publicado na revista Lancet Neurology, segundo o qual três em cada quatro AVC podiam ser evitados.

O estudo, uma análise das tendências globais dos fatores de risco de AVC entre 1990 e 2013, é apresentado pela revista como o primeiro a analisar os fatores de risco do AVC ao pormenor.

Com base no Estudo do Peso Global da Doença, os investigadores estimaram o peso do AVC com 17 fatores de risco em 188 países, ou seja, a carga da doença que seria evitada se se eliminasse a exposição ao fator de risco.

A conclusão é que mais de 90% do peso global do AVC está associado a fatores de risco modificáveis, a maioria dos quais (74%) são fatores de risco comportamentais, como o tabaco, a má alimentação ou o sedentarismo.

Os autores estimam que o controlo destes fatores de risco permitiria prevenir três quartos de todos os AVC.

Todos os anos, cerca de 15 milhões de pessoas em todo o mundo sofrem um AVC, dos quais cerca de seis milhões morrem e cinco milhões ficam com danos permanentes, incluindo perda de visão ou da fala, paralisia e confusão.

Os dez principais fatores de risco para AVC são a hipertensão, uma dieta pobre em fruta, um índice de massa corporal elevado, uma dieta rica em sódio, o tabaco, uma dieta pobre em vegetais, a poluição do ar ambiente, a poluição do ar doméstico, uma dieta pobre em cereais integrais e uma elevada quantidade de açúcar no sangue.

A poluição do ar, tanto interior como exterior, surge pela primeira vez como um dos principais fatores de risco de AVC, associado a quase um terço (29.2%) do peso global do AVC em 2013.

O problema é maior nos países em desenvolvimento (33,7%) do que nos países desenvolvidos (10,2%).

“Uma descoberta surpreendente do nosso estudo foi a elevada proporção do peso do AVC que é atribuível à poluição do ar ambiente, especialmente nos países em desenvolvimento”, disse o principal autor do estudo, Valery Feigin, da Universidade de Tecnologia de Auckland, na Nova Zelândia, citado num comunicado.

Para o investigador, o estudo sugere que o AVC é uma doença em grande medida provocada por fatores de risco ligados ao estilo de vida e pode ajudar os governos nacionais e as agências internacionais a desenvolver programas e políticas públicas de saúde.

“Os governos têm o poder e a responsabilidade de influenciar estes fatores de risco através da legislação e de impostos sobre o tabaco, o álcool, o sal, o açúcar ou as gorduras saturadas, enquanto os serviços de saúde têm a responsabilidade de verificar e tratar fatores de risco como a hipertensão arterial”, disse.

O investigador defendeu que a estratégia mais eficaz na redução da exposição ao tabaco e ao consumo excessivo de sal, açúcar e álcool tem sido a tributação.

“Se estes riscos têm um custo na nossa saúde e se a tributação é a melhor forma de reduzir a exposição a estes riscos, logicamente os governos devem introduzir impostos e reinvestir as receitas na saúde da população, financiando programas de prevenção e investigação”, afirmou.

O estudo concluiu que o fator de risco que mais diminuiu entre 1990 e 2013 foi o fumo passivo, com uma redução de 31% no peso do AVC, mas este fator ainda é relevante (3,1%) na faixa etária dos 15 aos 49 anos, especialmente nos países em desenvolvimento.

O fator de risco que mais aumentou foi o consumo de bebidas açucaradas (aumento de 63,1% no peso do AVC).

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Poluição

Planeta ou Plástico? Porque temos de escolher

José Crespo de Carvalho

Da produção mundial total, 380 milhões de toneladas por ano, metade é de plástico "single-use", nem sempre fácil de banir. Mas são necessários esforços redobrados para que isso mesmo venha a acontecer

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)