Rádio Observador

Cinema

De Nova Iorque com amor. “Portugueses do Soho” em estreia no CCB

390

O documentário “Portugueses do Soho” de Ana Ventura Miranda, estreia-se esta quinta-feira no CCB. O Observador falou com a realizadora. Uma rua portuguesa no Soho pode estar a caminho.

“Não falava inglês, mas sempre me defendi”. Quem o diz é uma das protagonistas de Portugueses do Soho, documentário realizado por Ana Ventura Miranda, que esta quinta-feira se estreia no Centro Cultural de Belém (CCB) em Lisboa. O filme é o retrato da presença portuguesa no Soho, uma das zona de Manhattan. Antes de estar na moda e no roteiro de milhares de turistas, este lugar era o recanto de muitos emigrantes e o português era uma das línguas mais faladas.

Chegaram aos Estados Unidos em busca de uma vida melhor e à procura do sonho americano. De serralheiros a lavadores de pratos, as memórias de cerca de 20 pessoas são recuperadas e reconstituídas para mostrar um pouco da herança de Portugal no Soho. Para antecipar o desaparecimento de portugueses desta zona, o momento para a realização do documentário revelou-se o mais apropriado. “A cada dia, os vestígios desaparecem. O objetivo deste documentário era que não se perdessem”, afirma Ana Ventura Miranda.

[Veja aqui o trailer do documentário]

A realizadora também vive em Nova Iorque, mais propriamente na Broome Street, num prédio cuja dona era portuguesa, Maria Oliveira — e que também entra no documentário, claro está. Desde 2006 que o percurso de Ana Ventura Miranda nunca mais se desligou dos Estados Unidos: em 2011 criou o Arte Institute para divulgação da arte e cultura portuguesa, além-fronteiras. “Portugueses do Soho” é mais um projeto do instituto, a par do NY Portuguese Short Film Festival.

Maria Oliveira era inicialmente pensada como a protagonista, a história girava apenas à sua volta, mas a perceção da realizadora alargou-se quando percebeu que na vizinhança haveria mais portugueses do que imaginava. A emigrante não chegou a ver o documentário, morreu antes da concretização do mesmo:

A Maria foi fundamental, porque a história dela era incrível. Ela era uma estrela, a forma de falar, a maneira de ser, parecia que tinha sido feita para a câmara”, relembra a realizadora.

Maria Oliveira aparece quase como um elemento unificador entre Portugal e os Estados Unidos: usa expressões como “Thank God” (Graças a Deus) e manda beijos com as mãos à equipa de realização, sempre com a mensagem de “Deus vos dê uma boa noite”. O sotaque nota-se em todas as palavras, em português e em inglês, como se pertencesse a dois lugares, sem menosprezar ou valorizar nenhum deles.

Se alguns dos intervenientes eram conhecidos de Ana Ventura Miranda, outros foram descobertos ao longo do tempo e por simples acasos. “Foram portugueses que fomos abordando na rua e quando os encontrámos, entrevistámo-los logo”, diz. A relação de confiança foi algo que a equipa do documentário construiu com os entrevistados e que hoje surte efeitos dentro da comunidade portuguesa do Soho: “Algumas das pessoas que na altura não quiseram falar veem ter connosco e dizem que tem pena de não ter falado”. O próximo passo é registar esses novos depoimentos e guardá-los sob a alçada do Arte Institute.

A estreia em Portugal surge depois da projeção do documentário em abril deste ano no MoMA (Museu de Arte Moderna) e ainda esta semana no cinema Babylon em Berlim. A receção tem sido “surpreendente”, conta a realizadora: os bilhetes no MoMA ficaram esgotados em dois dias e levaram à realização de uma segunda sessão no Anthology Film Archives. “Na exibição do Anthology estava uma senhora que desatou aos gritos durante a projecção. Depois percebemos que numa das fotos estava ela com 5 anos, num jantar com os pais”, acrescenta a Ana Ventura Miranda.

Portugueses do Soho cresceu e ganhou dimensão para lá do ecrã. O Arte Institute organiza a partir de agora um evento chamado “Portugal no Soho”, que “já conseguiu fechar uma rua no bairro de Nova Iorque e mostrar aos nova-iorquinos, o que afinal significa ser português nos Estados Unidos”, lembra a autora do documentário.

Sente-se no bairro um orgulho de mostrar que estamos ali e ainda continua a bandeira de Portugal à saída do metro na Spring Street”, afirma Ana Ventura Miranda.

Uma das novidades pode passar por “colocar um segundo nome (co-naming) numa rua no Soho, como de Portuguese Street”.

Para já, o documentário que conta com a narração e textos do escritor José Luís Peixoto e banda sonora de Rita Redshoes, estreia-se em Portugal quinta-feira, 23 de junho, às 21h. Os bilhetes podem ser adquiridos nas bilheteiras do CCB pelo preço de cinco euros.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Editado por Tiago Pereira
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)