479kWh poupados com o Logótipo da MEO Energia Logótipo da MEO Energia
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

Logótipo da MEO Energia

Adere à Fibra do MEO com a máxima velocidade desde 29.99/mês aqui.

Esta hashtag serve para denunciar abusos de patrões

Este artigo tem mais de 5 anos

Uma ex-empregada doméstica criou uma etiqueta e uma página de Facebook homónima onde partilha testemunhos reais de quem já sofreu às mãos da entidade patronal. O sucesso foi imediato.

A brasileira Joyce Fernandes não tem mãos a medir com a quantidade de testemunhos que já recebeu.
i

A brasileira Joyce Fernandes não tem mãos a medir com a quantidade de testemunhos que já recebeu.

SAMUEL ARANDA/AFP/Getty Images

A brasileira Joyce Fernandes não tem mãos a medir com a quantidade de testemunhos que já recebeu.

SAMUEL ARANDA/AFP/Getty Images

Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

#EuEmpregadaDoméstica é a hashtag do momento, que pretende denunciar abusos protagonizados por patrões e patroas. A autoria da etiqueta, que agora também é uma página homónima de Facebook com direito a mais de 110 mil fãs, pertence à brasileira Joyce Fernandes. Aos 31 anos, a professora de história e rapper foi em tempos empregada doméstica, uma profissão da qual tem poucas saudades e muitos relatos — a maior parte deles agora publicados no Facebook.

Foi precisamente uma das histórias que viveu, e que divulgou nas redes sociais, que fez escalar a iniciativa da professora que também canta — Joyce recebe e publica testemunhos de quem passou por abusos semelhantes. Em meados de julho, a brasileira fez o seguinte relato:

Joyce, você foi contratada para cozinhar para a minha família e não para você. Por favor, traga a marmita e um par de talheres e, se possível, coma antes de nós na mesa da cozinha. Não é por nada, tá filha. Só para a gente manter a ordem da casa”.

A ideia de Joyce passa então por encorajar as pessoas que possam ter passado ou estejam a passar por situações semelhantes, segundo contou à edição brasileira da BBC. “Este tipo de tratamento desumano acontece entre quatro paredes e essas mulheres, a maioria negras, não têm como desabafar”, contou à mesma publicação.

Joyce diz já ter recebido centenas de relatos, uns mais emocionantes do que outros. Exemplo disso é a história da empregada doméstica que, aos 76 anos de idade, foi obrigada a andar vários lances de escada quando o elevador de serviço se estragou — não lhe foi permitido o acesso ao elevador da família com quem trabalhava há mais de 30 anos.

Apesar das denúncias — feitas de forma anónima na respetiva página de Facebook –, nem tudo é mau, até porque foi precisamente uma ex-patroa que incentivou Joyce a terminar o curso.

A página está a demorar muito tempo.

Ofereça este artigo a um amigo

Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

A enviar artigo...

Artigo oferecido com sucesso

Ainda tem para partilhar este mês.

O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

Aconteceu um erro

Por favor tente mais tarde.

Atenção

Este artigo só pode ser lido por um utilizador registado com o mesmo endereço de email que recebeu esta oferta.
Para conseguir ler o artigo inicie sessão com o endereço de email correto.