WikiLeaks

Justiça sueca ainda quer deter Julian Assange

Um tribunal superior manteve o mandato de detenção emitido em 2010 contra o co-fundador do 'site' WikiLeaks, Julian Assange.

O Tribunal da Relação de Estocolmo "rejeita o pedido de levantamento do mandato de detenção"

FACUNDO ARRIZABALAGA/EPA

Autor
  • Agência Lusa
Mais sobre

A justiça sueca manteve, esta sexta-feira, o mandato de detenção emitido em 2010 contra o fundador do ‘site’ WikiLeaks, o australiano Julian Assange, no âmbito de um processo por alegada violação.

O Tribunal da Relação de Estocolmo “rejeita o pedido de levantamento do mandato de detenção”, considerando que Julian Assange “se mantém como suspeito de violação” e que “existe um risco de fuga à justiça ou a uma condenação”, precisa um comunicado emitido pela instituição, citado pela agência France Presse.

O australiano, que nega a violação, está refugiado desde 2012 na embaixada do Equador em Londres para evitar a extradição para a Suécia, onde é procurado por suspeita deste crime. Assange teme pisar solo sueco e ser extraditado para os Estados Unidos, onde poderá responder pela divulgação de milhares de documentos confidenciais.

Segundo a imprensa sueca, as acusações de violação contra Assange remontam a 2010 e partem de duas mulheres, uma de 20 e outra de 30 anos. Uma terá passado a noite com o fundador do WikiLeaks num apartamento de Estocolmo e outra esteve reunida com ele em Enköping. Assange recusa as acusações.

O processo na Suécia, que agora o tribunal superior confirmou, só expira em 2020 — o limite temporal para ser proferida uma acusação.

O WikiLeaks ficou conhecido após a publicação de documentos confidenciais do exército dos EUA sobre a guerra no Afeganistão.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
CDS-PP

O governo merece uma censura /premium

João Marques de Almeida

Se o Presidente, o PM e os partidos parlamentares fossem responsáveis e se preocupassem com o estado do país, as eleições legislativas seriam no mesmo dia das eleições europeias, no fim de Maio. 

Arrendamento

A coisa /premium

Helena Matos

Programas para proprietários que antes de regressarem à aldeia entregam ao Estado as suas casas para arrendar. Torres com 300 apartamentos. O arrendamento tornou-se na terra da intervenção socialista

Médicos

Senhor Dr., quanto tempo temos de consulta?

Pedro Afonso

Um dos aspetos essenciais na relação médico-doente é a empatia. Para se ser empático é preciso saber escutar. Ora este é um hábito que se tem vindo a perder na nossa sociedade, e nas consultas médicas

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)