Política

Depois de Lenine e Estaline, o Che Guevara da JSD contra a “geringonça”

777

A campanha da JSD "Foi nisto que votou?" já deu em ameaça de processos judiciais devido ao uso de figuras do comunismo contra o Governo. Agora é um vídeo humorístico a falar de ricos e pobres.

Na televisão do café vê-se um jogo do Benfica, quando entra um jovem com a t-shirt do Che Guevara. Em conversa com um amigo de direita (a quem chama de “camarada”), o jovem esquerdista conta como o Governo está a tornar Portugal num país menos desigual. No fim, o amigo (de direita) sugere acabar com os mais pobres, em vez de acabar com os ricos. O jovem revolucionário não contém as gargalhadas enquanto diz: “Neoliberal, pá. Lá estás tu“.

Depois de ter colocado Lenine junto a líderes da “geringonça” e de ter feito uma montagem com Mário Nogueira vestido de Estaline, a JSD tenta entrar no debate político em vésperas do Orçamento do Estado com um sketch de humor. A pergunta de saída é a de sempre: “Foi nisto que votou?

A campanha tem como “principal objetivo o confronto da propaganda do Governo com a realidade” e denunciar que “António Costa está a deixar o país pior.” Ao Observador, o líder da JSD, Simão Ribeiro, justifica este “registo” com o facto de os jovens portugueses estarem “saturados da forma rígida de comunicar na política“, tendo optado assim pela “forma descontraída”, que encaixa na irreverência da juventude partidária.

No vídeo, a JSD critica os “impostos” sobre os combustíveis, o IMI do “sol” (que no vídeo é apresentado como um novo imposto, apesar de não o ser) e ainda o novo imposto sobre o património imobiliário. Diz o jovem de esquerda no vídeo: “Novo imposto sobre o património. Porque tu não podes ter coisas e eu não, camarada. Temos de ficar os dois sem nada”.

Para Simão Ribeiro as escolhas “pré-anunciadas e em que o Orçamento do Estado poderá vir a incidir” são “impostos cegos”, já que nem sequer são aplicados de forma “progressiva“, pesando da mesma forma na “classe média baixa ou na classe média mais alta”. O presidente da JSD ironiza mesmo que “só falta mesmo o Governo taxar o ar e criar um imposto sobre o ar mais puro e o ar menos puro”. Simão Ribeiro acusa o PS de entrar numa “deriva syrizista” e de estar vendido a “uma ideologia marxista e trotskista”.

Processo judicial era “bluff”?

A campanha da JSD “Foi nisto que votou?” começou há cerca um ano e tem sido marcada pela polémica. Em maio, a Fenprof decidiu mesmo avançar com um processo contra a juventude partidária, após um cartaz em que o líder sindical, Mário Nogueira, era comparado ao ditador soviético Josef Estaline.
estaline_mario_nogueira

“Isto Stalin(do), está!”, era a frase que acompanhava um cartaz que denunciava aquilo que a JSD chamou de “nacionalização cega do ensino”. Quem não gostou foi Mário Nogueira, que considerou o cartaz, em declarações ao Expresso, como um “insulto pessoal”, vindo de “garotos que não têm capacidade para fundamentar as suas posições”. Já a Fenprof, como instituição, avançou com um “processo jurídico contra a JSD por ofensa, que reputa de grave, ao bom nome a Federação”.
A Fenprof considerou ainda que comparar Mário Nogueira a Estaline ultrapassava a “decência da ação política”, já que tem por objetivo a “destruição da imagem de credibilidade do movimento sindical docente plasmado na intervenção da Fenprof.”

Ao Observador, Simão Ribeiro explica que “não chegou à JSD qualquer notificação”, pelo que coloca a possibilidade de ter-se tratado de “bluff”. E promete que a estrutura partidária não vai deixar este tipo de registo. “A JSD sempre foi uma juventude irreverente. Esta é a mesma JSD que colocou um camelo na margem sul, quando o ministro Mário Lino disse que a margem sul era um deserto“.

Esta mesma campanha tinha sido polémica quando a “jota” utilizou uma ilustração da fotografia tirada pelos soviéticos durante a tomada de Berlim aos nazis em 1945. Na altura, a 11 de novembro de 2015, a jota denunciava “uma coligação negativa de partidos perdedores juntou-se para derrubar a coligação vencedora das últimas eleições legislativas.”

500417

jsdi

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rpantunes@observador.pt
PS

O terrível regresso da "Europa da troika" /premium

Miguel Pinheiro

Nas eleições europeias, o PS é contra a "Europa da troika", contra a "Europa dos populistas" e contra a "Europa do Brexit". Ou seja: é uma soma de confusões, contradições e baralhações.

Governo

Cogitações sobre a remodelação /premium

Maria João Marques

Costa promoveu pessoas com pouquíssima experiência profissional fora da vida política. É dos piores indicadores para qualquer político. Viver sempre na bolha dos partidos é péssimo cartão de visita.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)