Brexit

Brexit. Theresa May escutada a defender permanência na UE

482

O jornal The Guardian divulgou uma gravação da primeira-ministra britânica em que defende a permanência do país na União Europeia e alerta para riscos para as empresas e para a segurança do país.

Em julho, Theresa May sucedeu a David Cameron na liderança do governo britânico

AFP/Getty Images

A primeira-ministra britânica Theresa May disse, em maio, que a saída do Reino Unido da União Europeia levaria a uma saída em bloco de empresas do país. Numa conversa com responsáveis do banco de investimento Goldman Sachs, antes de os britânicos votarem no referendo do Brexit, e sem saber que a sua intervenção estaria a ser gravada, May também admitia que abandonar o projeto europeu teria riscos para a segurança do país. A conversa foi divulgada pelo jornal Guardian.

May sucedeu a David Cameron em julho, depois de o anterior primeiro-ministro britânico ter apresentado a demissão na sequência do “sim” ao Brexit. Em maio, a líder britânica assumia vários receios provocados pelo cenário de saída.

“Eu penso que os argumentos no plano económico são claros”, dizia May no encontro com banqueiros.

Penso que ser parte de um bloco comercial de 500 milhões [de cidadãos] é significativo para nós. Penso que (…) uma das questões é que muita gente vai investir no Reino Unido porque pertence à União Europeia”, referia May há meio ano.

A decisão de sair teria um impacto na economia do país, entendia a agora primeira-ministra. “Se não estivéssemos na Europa, penso que as empresas e companhias que estariam a ponderar se deveriam manter uma presença europeia em vez de britânica. Portanto, penso que há benefícios para nós, em termos económicos”, em ficar na UE.

Mas não era apenas no campo económico que as vantagens de ficar se manifestavam. Também a segurança do Reino Unido sairia fragilizada com um (ainda) eventual sim do Brexit – por exemplo, pela perda de acesso a instrumentos como os mandados de detenção europeus e a partilha de informação entre polícias e agências de informação de cada Estado.

Há, definitivamente, coisas que podemos fazer enquanto membro da União Europeia que penso que nos mantêm mais seguros”, diz May, na gravação divulgada esta noite.

May tem sido criticada pela sua discrição durante toda a campanha do referendo. O Guardian sublinha que vários colegas do partido conservador ficaram “furiosos” com a então secretária de Estado britânica pela forma como se manteve à margem do debate diário sobre o tema. Uma postura que contrasta com a clareza com que May se referia, em maio, aos riscos de uma saída. Durante cerca de uma hora, a responsável britânica respondeu às questões que lhe foram sendo colocadas pelos presentes no encontro, no qual marcou presença como oradora convidada.

Durante essa hora, May acabou por ser confrontada com as suas eventuais pretensões para chegar ao número 10 de Downing Street e ocupar o lugar que então pertencia a David Cameron. “Essa é uma das minhas mensagens no que diz respeito ao referendo. De facto, não devíamos estar a votar para tentar recriar o passado, devíamos estar a votar para aquilo que é certo no futuro”, ensaiou May, sem responder diretamente à questão.

Clara defensora da permanência nas intervenções que proferiu no Goldman Sachs, a responsável britânica defendia não só a continuidade no projeto europeu mas, também, um papel de maior relevo de Londres na Europa.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: prainho@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)