Rádio Observador

Edward Snowden

Os refugiados que esconderam Edward Snowden

O ex-agente da CIA Edward Snowden esteve escondido depois de ter divulgado o sistema de vigilância e espionagem dos EUA. Onde? Em casa de refugiados em Hong Kong. Agora vieram contar como foi.

AFP/Getty Images

Há três anos, Edward Snowden passou cerca de duas semanas escondido em casas onde viviam refugiados, em Hong Kong. O El Mundo falou com as pessoas que o ajudaram.

Vanesa Rodel, das Filipinas, vivia num pequeno e sombrio apartamento com a sua filha bebé quando lhe tocaram à porta a meio da noite. Era o seu advogado Robert Tibbo e o sócio Jonathan Mann. Mas não vinham sozinhos, traziam um outro homem que Vanesa nunca tinha visto antes. Perguntaram-lhe se o estrangeiro — que parecia preocupado e nervoso — podia ficar lá uns dias.

Não me explicaram mais, só que precisava de um sítio seguro para ficar e que não falasse dele a ninguém”, disse a filipina.

Ela aceitou. No dia seguinte, o hóspede pediu-lhe que lhe comprasse algumas coisas, entre as quais a edição internacional do diário South China Morning Post. Quando chegou à papelaria e pegou no jornal ficou sem reação. Ali estava ele. Na capa. Era Edward Snowden, o ex-agente da CIA e da NSA (Agência de Segurança Nacional norte-americana) que, uns dias antes, tinha revelado os polémicos programas de vigilância e espionagem dos Estados Unidos.

Oh Meu Deus, isto é incrível. O homem mais procurado do mundo está em minha casa!

Naquele momento, Vanesa sentiu-se lisonjeada pelos seus advogados a terem escolhido para ajudar Snowden, apesar do seu modesto apartamento.

Entretanto, Snowden mudou-se para casa de Supun Thilina, do Sri Lanka. Tal como acontecera com Vanesa, os advogados entregaram-lhe o ex-agente a meio da noite. Sem grandes explicações. Assustou-se e imaginou que Snowden fosse um militar, por causa do corte de cabelo curto.

Perguntaram-me se o conhecia e disse que sim, mas era mentira. Estava um pouco assustado e não queria fazer perguntas.

Mais uma vez foi a compra do jornal que levou à descoberta da sua identidade. “Não podíamos [Supun e a mulher] acreditar que fosse ele, que alguém tão famoso estava na nossa casa. Aí entendemos a grande responsabilidade que tínhamos“, garantiu Supun.

O próximo refugiado a acolhe-lo seria Ajith Pushpakumara, ex-militar também do Sri Lanka, que ocupava um quarto de um apartamento que dividia com outros cinco imigrantes. Ao contrário dos anteriores, Ajith reconheceu de imediato Snowden. “Eu conheço-te, vi-te na televisão“, disse.

O meu inglês era muito mau, por isso falámos muito pouco. Ainda assim, senti-me como num filme”, acrescenta.

Vanesa e Supun contam que Snowden passava os dias ao computador, a preparar o seu próximo passo. Alimentava-se de McDonald’s e doces. Foi graças a Supun, que Snowden conseguiu comunicar com o exterior. A todos eles, Snowden fez questão de deixar 2oo dólares como forma de agradecimento.

A história da fuga

Edward Snowden chegou a Hong Kong depois de ter estado no Hawai, em 2013. Entre 3 e 10 de junho esteve no hotel The Mira com jornalistas do The Guardian e do The Washington Post para dar uma entrevista exclusiva. Depois, foi conduzido até ao edifício das Nações Unidas para pedir asilo em Hong Kong, a fim de evitar a extradição.

Mas depois da sua identidade tornar-se pública, o seu advogado Robert Tibbo achou melhor o ex-agente esconder-se da imprensa e da Administração americana. “Decidimos esconde-lo entre várias famílias de refugiados, nossos clientes, o último lugar onde se esperava encontra-lo“, explicou o advogado de direitos humanos.

Sabíamos que não nos trairiam. Todos eles sabem o que é ser perseguido e ter de deixar o seu país. São solidários e nenhum hesita em ajudar e sem pedir nada em troca.

No entanto, no dia 21 de junho, Snowden foi formalmente acusado segundo a Lei da Espionagem e a sua detenção foi solicitada ao Governo de Hong Kong. Com a ajuda de colaboradores da Wikileaks — encabeçada por Julian Assange — o ex-agente conseguiu fugir da cidade. Em Moscovo percebeu que o seu passaporte tinha sido revogado pelos Estados Unidos, pelo que desde então vive na capital russa com a namorada.

Desde a estreia do filme “Snowden” que os refugiados que o ajudaram têm tido problemas com as autoridades.

Fizeram-me várias perguntas sobre o tempo que Snowden esteve comigo, mas recusei-me a responder. Desde então que me cortaram todas as ajudas”, conta a filipina Vanesa.

Existe agora uma campanha de angariação de fundos para ajudar estas pessoas, que já soma 18.000 euros. O próprio Snowden deixou uma mensagem, em setembro, no seu Twitter a pedir que os ajudem.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)