805kWh poupados com a
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

Polícia brasileira lança gás lacrimogéneo contra protesto de funcionários públicos

Este artigo tem mais de 5 anos

A Polícia Militar lançou esta quarta-feira bombas atordoantes e gás lacrimogéneo contra funcionários públicos do estado do Rio de Janeiro, no Brasil.

Um grupo de agentes penitenciários envolveu-se em confrontos com funcionários da educação
i

Um grupo de agentes penitenciários envolveu-se em confrontos com funcionários da educação

BARBARA WALTON/EPA

Um grupo de agentes penitenciários envolveu-se em confrontos com funcionários da educação

BARBARA WALTON/EPA

A Polícia Militar lançou esta quarta-feira bombas atordoantes e gás lacrimogéneo contra funcionários públicos do estado do Rio de Janeiro, no Brasil, após alguns terem derrubado grades de acesso à Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj).

As imagens televisivas mostraram milhares de pessoas em protesto contra as medidas de austeridade propostas pelo governador do estado, Luiz Fernando Pezão, em frente à Alerj, e, inclusive, uma pessoa caída no chão a ser socorrida por outras após ter sido lançada uma bomba de efeito moral.

Segundo a imprensa local, antes, um grupo de agentes penitenciários envolveu-se em confrontos com funcionários da educação, devido à presença de bandeiras de partidos de esquerda no protesto.

A agência Lusa questionou a Polícia Militar sobre o sucedido mas não obteve resposta em tempo útil.

A manifestação acontece horas antes da votação de duas das 21 medidas do pacote para combater a crise do estado, nomeadamente a redução de 30 por cento nos salários do governador, vice-governador, de secretários e subsecretários estaduais e a redução do limite para pagamento de dívidas de pequeno valor no estado.

Luiz Fernando Pezão avisou que as medidas são fundamentais para evitar despedimentos e recuperar o equilíbrio fiscal.

Sem elas, a previsão aponta para um défice no governo do estado de 52 milhões de reais (14,2 milhões de euros) até dezembro de 2018.

Na semana passada, também houve protestos, registando-se confusão na terça-feira, quando centenas de manifestantes invadiram a Assembleia, provocando graves danos materiais no interior.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

 
Assine o Observador a partir de 0,18€/ dia

Não é só para chegar ao fim deste artigo:

  • Leitura sem limites, em qualquer dispositivo
  • Menos publicidade
  • Desconto na Academia Observador
  • Desconto na revista best-of
  • Newsletter exclusiva
  • Conversas com jornalistas exclusivas
  • Oferta de artigos
  • Participação nos comentários

Apoie agora o jornalismo independente

Ver planos

Oferta limitada

Apoio ao cliente | Já é assinante? Faça logout e inicie sessão na conta com a qual tem uma assinatura

Há 4 anos recusámos 90.568€ em apoio do Estado.
Em 2024, ano em que celebramos 10 anos de Observador, continuamos a preferir o seu apoio.
Em novas assinaturas e donativos desde 16 de maio
Apoiar

19 MAIO 2024 - SEDE OBSERVADOR

Atos de vandalismo não nos calarão.

Apoie o jornalismo que há 10 anos se pauta pela liberdade de expressão e o nunca vergar por qualquer tipo de intimidação.

Assine 1 ano / 29,90€ Apoiar

MELHOR PREÇO DO ANO

Ao doar poderá ter acesso a uma lista exclusiva de benefícios

Ofereça este artigo a um amigo

Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

A enviar artigo...

Artigo oferecido com sucesso

Ainda tem para partilhar este mês.

O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

Aconteceu um erro

Por favor tente mais tarde.

Atenção

Para ler este artigo grátis, registe-se gratuitamente no Observador com o mesmo email com o qual recebeu esta oferta.

Caso já tenha uma conta, faça login aqui.

Há 4 anos recusámos 90.568€ em apoio do Estado.
Em 2024, ano em que celebramos 10 anos de Observador, continuamos a preferir o seu apoio.
Em novas assinaturas e donativos desde 16 de maio
Apoiar

19 MAIO 2024 - SEDE OBSERVADOR

Atos de vandalismo não nos calarão.

Apoie o jornalismo que há 10 anos se pauta pela liberdade de expressão e o nunca vergar por qualquer tipo de intimidação.

Assine 1 ano / 29,90€

MELHOR PREÇO DO ANO