Rádio Observador

Cinema

O filme da Bela e do Monstro promove a violência doméstica?

A nova polémica está instalada: será que o filme A Bela e o Mostro apela à violência doméstica no contexto familiar? Um professor, que lecionou uma aula sobre o tema, diz que sim.

Muitos defendem que as princesas da Disney são o espelho dos estereótipos e machismo da sociedade

© Youtube

O mundo está ansioso pela estreia do filme A Bela e o Mostro, cujo trailer oficial já soma milhões de visualizações. Porém, a polémica que se acende agora na Internet é outra: promove o filme a violência doméstica, ainda que não haja agressão direta do Monstro à Bela? Muitos defendem que sim.

Um professor, que permanece no anonimato, terá incentivado durante as suas aulas este debate sobre o facto de o filme apelar à violência doméstica e, como seria de prever, o tema não ficou confinado apenas ao ambiente das suas aulas. O plano de aula em questão foi divulgado online, sendo detalhado pelo Metro, onde se pode ler afirmações como:

A Bela é a vítima, numa relação má, onde o seu trunfo é a sua sexualidade”

“O Monstro não ataca fisicamente a Bela, mas a ameaça está presente”

“O filme mostra que uma mulher bonita e doce, pode transformar um homem abusivo num homem gentil. Por outras palavras, a culpa é da mulher se o seu homem for abusivo. E, claro, o monstro torna-se num príncipe bonito e esbelto porque as pessoas feias não podem ser felizes”

Mas o filme A Bela e o Monstro não é o único a ter sido alvo de críticas quanto aos valores que passa aos mais novos. Também outras princesas foram acusadas de serem estereotipadas em ideais machistas, entre as quais a Pequena Sereia, a Cinderela, a Bela Adormecida, a Branca de Neve ou a Jasmine, seja pela obrigação de servir sete homens (7 anões) ou pela escravidão da “gata borralheira” abusada pela “madrasta má”. E, afirma-se, as princesas não se importam em ser escravas porque sabem que há sempre um príncipe bonito e rico que as vem tirar da suas tormentas. Mas a vida real não é assim e é esta a ideia que se passa para as crianças, afirma-se no Metro.

A aula onde a problemática foi discutida tem como tema “O racismo e o sexismo na Disney” e tem como público-alvo alunos entre os 11 e os 16 anos, tendo sido colocada online por um professor, em Inglaterra, que dá aulas sobre a Cidadania.

Já Phil Davies, um conhecido ator e escritor do Reino Unido, avança o Metro, vem afirmar algo completamente diferente,

Os pais dos alunos vão ficar horrorizados para se aperceberem que, nas escolas, andam a fazer lavagens cerebrais sobre questões do politicamente correto. Os pais enviam os seus filhos para a escola para aprenderem matemática, ciência e história… não para aprenderem este lixo. O governo deve parar com esta estupidez e garantir que as escolas ensinam aquilo que os pais esperam que seja ensinado.”

Também Chris McGovern, Presidente da Campanha para a Educação Real, se veio juntar à mesma opinião de Phil, de acordo com o Metro,

Estes planos de aula que foram publicados representam um ataque ignorante, insidioso e secreto sobre os valores familiares e sobre a antiga sabedoria dos contos de fadas. Isto é uma estratégia deliberada de separar laços que unem a nossa sociedade há anos e anos. Os contos de fadas, incluindo as versões feitas pela Disney, permitem às crianças a criação de um mundo que lhe faça sentido e que, por outro lado, lhes alertem para alguns perigos. Através das personagens às vezes estereotipadas, a Disney mostra a batalha do ódio e do amor, o bom e o mau ou a honestidade e o engano.”

Um próprio porta-voz da Disney veio afirmar que os filmes e as personagens criadas, há mais de 90 anos, pela Disney, sempre se mostraram universais e relevantes para todos, de todos os cantos do mundo. Não só crianças, mas também muitos adultos foram marcados, num momento ou outro, pelas personagens da Disney, que sempre foram amadas e acarinhadas pela sociedade.

Mas a saga não termina e também um porta-voz do próprio Departamento para a Educação diz que, embora a Internet seja um mundo sem-fim de informação, conta-se que os professora sejam capazes de decidir quais as informações relevantes a usar para que as suas lições sejam o mais educativas e adequadas possíveis.

O plano divulgado online já foi visualizado mais de 11.000 vezes e já foram feitos mais de 600 downloads.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)