Dois meses depois, Eunice continua a ter ataques de pânico. Estava em frente ao computador quando recebeu a notícia de que Hugo Abreu, recruta do 127º curso de Comandos, tinha morrido. O alarme soou de imediato na sua mente. O seu filho, Filipe Dias, de 22 anos, também fazia parte do grupo de 67 militares que tentavam conquistar a boina vermelha. “Eu pedi-lhe para desistir”, assume a mãe do militar ao Observador, à porta da unidade daquela força especial, momentos antes da cerimónia final do mais polémico curso de comandos dos últimos anos.

Mas Filipe não lhe fez a vontade. “Era um sonho dele, nunca quis desistir e nessa noite, a 4 de setembro, enviou-me uma mensagem a dizer que enquanto tivesse forças ia continuar”.

O recruta do curso de Comandos chegou ao fim e recebeu, esta sexta-feira, as insígnias de Comando. Ele e outros 22 militares: os resistentes de um curso que ficou marcado pela morte de Dylan Araújo da Silva e de Hugo Abreu. Dois nomes que o Comandante das Forças Terrestres (CFT) do Exército fez questão de evocar minutos antes de os militares integrarem o batalhão de Comandos:

Nesse momento sublime, o Hugo Abreu e o Dylan Silva estarão convosco em cada resposta de ‘quero’ e estarão em vós sempre que cumprirem como Comandos o vosso dever”, disse no seu discurso o CFT, tenente-general Faria Menezes.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Há longos minutos que se percebia o embargo na voz de Faria Menezes. Quando nomeou os dois homens “tombados na prossecução do sonho de serem Comandos”, o tenente-general precisou de parar dois segundos. Recompôs-se e retomou a intervenção de cerca de 20 minutos que, como a própria cerimónia, estava carregada de mensagens para dentro e para fora da instituição militar. “Preparar forças para este espetro de conflitualidade como os Comandos só se faz através de um treino de instrução muitíssimo rigoroso e exigente”, justificava-se o CFT. “Neste modelo de formação, as condições têm de estar próximas do que irão enfrentar nas operações” que vão ser chamados a desempenhar no futuro.

Como as mães dos instruendos ficaram angustiadas, também as namoradas. Raquel também pediu ao namorado que desistisse. Tinha a mesma idade de Hugo Abreu e na noite em que o recruta perdeu a vida Raquel desfez-se em lágrimas. Faltava-lhe informação, demorava a chegar o telefonema do namorado para lhe assegurar que estava bem, que não tinha passado pelas horas de agonia que o colega de curso sofreu. E houve momentos em que Ricardo (nomes fictícios) pensou desistir. Viu cair vários militares e ponderou se valeria a pena. Mas era um sonho. Era aquilo que ambicionava. À entrada para a cerimónia, a namorada diz ao Observador sente “orgulho” de Ricardo.

Eunice, a mãe de Filipe, não fala em orgulho: “Mas sinto uma grande admiração por ele ter continuado, pela força física e mental que teve”, reconhece, apesar de todas as vicissitudes por que o curso do filho passou.

Dos sete militares constituídos arguidos pelo Ministério Público na sequência da morte dos dois recrutas, a presença mais visível foi a do tenente-coronel Mário Maia, responsável pelo curso de Comandos. Estava na frente do batalhão e entregou a alguns dos 23 novos elementos as insígnias da força de elite. “Presto o meu reconhecimento às equipas de instrução”, continuou Faria Menezes, depois de ter defendido a “obediência constante ao respeito pela condição humana” e às “rigorosas normas de segurança” que a instrução dos militares deve assegurar. “Assim vos foi determinado e, se seguiram os ditames da virtude e da honra, e o escrupuloso cumprimento do plano do curso serão dignos dos que vos antecederam na nobre missão de formar Comandos”.

Perante os futuros comandos, famílias e antigos militares à civil, mas de boina vermelha, Faria Menezes defendeu o respeito pela Justiça. “Somos todos imputáveis perante a lei”, disse o Comandante das Forças Terrestres, que coordena o processo de averiguações instaurado pelo Exército às mortes de Hugo Abreu e Dylan Araújo da Silva.

As maiores suspeitas do Ministério Público e da Polícia Judiciária Militar (PJM) recaem, precisamente, sobre os instrutores do curso de Comandos e sobre o capitão-médico que acompanhava o curso no dia 4 de setembro. Há uma semana e meia foram detidos, indiciados pelos crimes de abuso de autoridade por ofensa à integridade física. Mas na última sexta-feira, depois de serem ouvidos pela juíza de instrução Cláudia Pina, saíram em liberdade e apenas o médico ficou impedido de exercer atividade em instituições de saúde militar.

“Gostamos de ser respeitados como militares e como cidadãos”, dizia Faria Menezes, numa altura em que já falava para fora das paredes do regimento. “Vivemos numa sociedade da informação onde impera, e bem, a livre opinião sobre tudo e onde o direito de informar devia ser exercido com elevada ética”, referiu o CFT.

O tempo da Justiça não pode ser substituído condicionado, ou, pior, substituído pelo tempo mediático, sendo ignóbil a exploração gratuita da dor e do luto e o julgamento sem culpa provada em horário nobre de militares”, disse o Comandante das Forças Terrestres.

A assistir à cerimónia estava Ramalho Eanes, ex-presidente da República e comando honorário. Não estava o diretor da Polícia Judiciária Militar, ele próprio um comando que, pela primeira vez, não terá sido convidado pelo Exército para assistir à integração dos recrutas no batalhão daquela tropa especial.