Há três instituições portuguesas entre as melhores faculdades de economia da Europa, segundo o ranking anual do Financial Times, divulgado no início desta semana. Há duas no Top 25 — a Católica Lisbon School of Business and Economics e a Nova School of Business e Economics — as duas em 23.º lugar. Mais abaixo, no 62.º lugar, está a Porto Business School.

O ranking, que lista as 90 melhores instituições europeias, dá o primeiro lugar à London Business School, do Reino Unido, seguida pela HEC Paris e pelo Insead, ambos em França. O Insead, aliás, foi classificado como a melhor instituição mundial para fazer uma especialização em negócios, segundo outro ranking do FT.

A Católica subiu três lugares (foi 26.ª em 2015) e a Nova subiu cinco (28.ª no ano passado), sendo que as duas instituições alcançam agora a melhor posição de sempre na classificação do jornal britânico. Trata-se de um ranking composto por uma série de avaliações sobre os diversos cursos oferecidos pelas universidades. Outros parâmetros avaliados são a percentagem de docentes estrangeiros (destaque para a Católica, com 40%) ou a qualificação dos professores (a Nova, por exemplo, conta com um corpo docente 100% doutorado). O Financial Times dá também destaque aos salários médios dos formados, três anos depois da conclusão do curso — na Nova e na Católica o ordenado é de cerca de oito mil euros por mês (115 mil euros anuais). Um valor relativamente perto do topo da lista — na London Business School, o ordenado médio dos formados após o curso é de cerca de 10 mil euros mensais (144 mil euros anuais).

Para Francisco Veloso, diretor da faculdade de economia da Católica, “é motivo de grande orgulho alcançar esta prestigiada avaliação”. O responsável sublinha que “este resultado espelha a excelência e a qualidade do ensino e investigação da faculdade, reforçando o nosso compromisso de inspirar o futuro dos nossos alunos”.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Já o diretor da Nova SBE, Daniel Traça, sublinha que a subida no ranking “é o resultado da nossa aposta na internacionalização, um dos marcos no projeto de desenvolvimento da Nova SBE”.

Ramon O”Callaghan, diretor da Porto Business School, prefere destacar algumas categorias individuais em que a instituição “consegue melhores resultados” do que “escolas que figuram no ranking em posições mais elevadas na classificação geral”.