O partido conservador no poder na Macedónia (VMRO-DPMNE) e a oposição social-democrata (SDSM) reclamam ambos vitória nas eleições legislativas de domingo.

“Ganhámos mais uma vez. Hoje, a 11 de dezembro, tivemos a décima vitória seguida”, disse um responsável do VMRO-DPMNE, Vlatko Gjorcev, falando para apoiantes na sede do partido liderado pelo antigo primeiro-ministro Nikola Gruevski.

Pouco tempo depois, o líder da oposição social-democrata reivindicou também a vitória: “Nós somos os vencedores”, disse Zoran Zaev, ressalvando que os resultados ainda não são definitivos. “Ainda estamos a aguardar os resultados completos, mas à hora a que vos falo, a oposição tem mais um lugar [no Parlamento] e a tendência só pode ser a nosso favor”, acrescentou.

Com os votos contados em cerca de 85% das secções de voto, analistas estimam que o partido da oposição consiga 52 mandatos, apenas mais um do que os eleitos pelo VMRO-DPMNE (51). Este resultado muito próximo – apesar de ainda não ser definitivo – pode abrir caminho a protestos e obrigar a negociações com os partidos mais pequenos, pelo que não é certo que os eleitores macedónios tenham conseguido garantir estabilidade nesta eleição tão renhida.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Nos últimos dois anos, a política na Macedónia, um dos países candidatos à entrada na União Europeia, tem sido fortemente marcada pelas acusações e críticas de parte a parte. As eleições, realizadas sob os auspícios da União Europeia, já tinham sido adiadas por duas vezes, em abril e em junho, mas realizaram-se, esta segunda-feira, com aparente tranquilidade, embora alguns dos três mil observadores internacionais tenham reportado alguns problemas. Agora, para os eleitores, o mais importante é que desta eleição saia um Governo capaz de voltar a trazer estabilidade depois de uma crise política que já dura dois anos.

“O que espero? Espero que esta agonia acabe”, disse, por exemplo, Zoran Milevski, de 55 anos, à agência France Presse (AFP) depois de votar no centro de Skopje. A afluência às urnas foi superior à das últimas eleições, cerca de 66%.