O Partido Social-Democrata venceu as eleições legislativas na Roménia, um ano depois de uma campanha anticorrupção levar ao afastamento do primeiro-ministro socialista, segundo o apuramento eleitoral divulgado esta segunda-feira. As autoridades eleitorais dizem que, com 99% dos votos de domingo contabilizados, o Partido Social-Democrata liderou com 46%. Os Liberais, de centro direita, foram a segunda força mais votada, com mais de 20%.

“Não deve haver qualquer dúvida sobre quem venceu as eleições. Os romenos querem sentir-se em casa no seu próprio país e eu quero que a Roménia seja um bom lar para todos os romenos”, disse o presidente dos Sociais-Democratas, Liviu Dragnea, no domingo, quando os primeiros resultados mostravam já uma vitória do seu partido.

Dragnea foi condenado a uma pena suspensa de dois anos em abril por fraude eleitoral, ao inflacionar os números de eleitores num referendo, em julho de 2012, para a destituição do então Presidente Traian Basescu. O partido de Dragnea tem avançado com uma agenda populista, mas no domingo apresentou-se com um tom conciliatório, dizendo que queria por fim às divisões no país.

A União Salvar a Roménia, um recém-formado partido que se centrou no combate à corrupção, ficou em terceiro lugar, conseguindo assim entrar no parlamento. Um partido precisa de 5% dos votos para entrar na assembleia de duas câmaras. Os votos dos partidos que não ultrapassam esse limite são redistribuídos. A participação nas eleições foi baixa, 39,5%, abaixo da conseguida em 2012.

O antigo primeiro-ministro Victor Ponta, alvo de uma investigação por corrupção, demitiu-se após protestos em massa, depois de um incêndio numa discoteca em outubro de 2015 ter resultado em 64 mortos. O país de 19 milhões de pessoas é um dos mais pobres da União Europeia e tido como um dos mais corruptos.