O secretário de Estado das Comunidades Portuguesas, José Luís Carneiro, considerou esta quarta-feira que “Portugal está melhor”, o que “pode permitir o regresso de alguns e evitar a saída de muitos”, na tradicional mensagem de natal aos emigrantes.

Os mais recentes dados dizem que há uma redução na tendência emigrante. Significa, inquestionavelmente, que Portugal está melhor, tendo vindo a reduzir a taxa de desemprego, de forma sustentada, e a apresentar resultados no crescimento económico. É um caminho que pode permitir o regresso de alguns e evitar a saída de muitos”, afirma o governante, na mensagem de natal dirigida às comunidades portuguesas.

Na carta, José Luís Carneiro garante que o Governo português “fará tudo o que estiver ao seu alcance para promover as garantias de dignidade humana, em todas as dimensões sociais em que os portugueses se encontrem”. A ação da secretaria de Estado que dirige tem-se orientado pelo lema “estar perto de quem está longe”, acrescenta, exemplificando com a proteção e emergência consulares.

Sempre que os portugueses passam por dificuldades extraordinárias, — e têm sido muitas as situações de crise, em diferentes latitudes, — é nossa obrigação dar o apoio necessário às vítimas e fazer o acompanhamento obrigatório aos familiares e amigos mais próximos”, refere.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Nesse sentido, o Governo tem procurado recuperar a rede consular, para “evitar a desculpa da distância para um tratamento desigual” e, segundo o secretário de Estado, 2017 “será um marco na recuperação da capacidade dos recursos humanos e modernização consular”. José Luís Carneiro diz ainda que, no próximo ano, irá “prosseguir o plano de deslocações às comunidades, para conhecer melhor e contactar de perto os problemas e as ansiedades, mas também recolher contributos e soluções”. Na mensagem, o governante deixa “votos de festas felizes” para a “grande família das comunidades portuguesas, sobretudo para aqueles, tantos, que nem na quadra natalícia conseguem vir a casa”.

A quem passa o Natal longe do seu país, sem as suas famílias, sem os amigos, aos doentes, aos carenciados, aos idosos, às crianças e aos mais sós, desejo que este tempo seja sinal de mudança, ponto de partida para um futuro melhor”, afirma ainda.