O secretário-geral das Nações Unidas vai visitar o Parlamento Europeu em maio. A deslocação a Estrasburgo — a convite do presidente Antonio Tajani e anunciada aos líderes dos diferentes grupos políticos esta quinta-feira — só será tornada pública numa das próximas conferências de líderes. É a primeira vez que António Guterres visita uma instituição europeia desde que tomou posse, em janeiro deste ano.

Ainda sem datas oficiais fechadas para a deslocação, tudo indica que António Guterres deverá estar em Estrasburgo algures entre 15 a 18 de maio. É para essa semana que está marcado o plenário do Parlamento Europeu desse mês. A informação foi confirmada ao Observador pela porta-voz adjunta do Parlamento Europeu, Marjory van den Brooke.

O convite já tinha sido enviado pelo gabinete de Antonio Tajani há algumas semanas e, esta quinta-feira, terá sido o próprio presidente do Parlamento Europeu a anunciar a visita do responsável das Nações Unidas, já com a resposta positiva na mão.

O programa ainda não está fechado, mas o mais provável (é essa a tradição) é que António Guterres seja convidado a fazer uma intervenção perante o plenário de eurodeputados.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

O Observador tentou saber se, da parte da Comissão Europeia, teria havido um convite semelhante que desse lugar a um encontro entre António Guterres e o presidente Jean-Claude Juncker. No entanto, eventuais esclarecimentos foram adiados para mais tarde. “A agenda do presidente, assim como as atividades de outros membros da Comissão, são anunciadas todas as sextas-feiras com a [divulgação da] informação sobre a semana seguinte”, refere o gabinete de comunicação de Juncker.

António Guterres foi aclamado secretário-geral das Nações Unidas a 6 de outubro de 2016. A escolha do Conselho de Segurança da ONU foi confirmada na semana seguinte (a 13 de outubro) pela Assembleia-geral, num momento em que o antigo primeiro-ministro português disse apresentar-se com “humildade, gratidão e profundo sentido de responsabilidade”. Guterres tomou posse a 1 de janeiro de 2017, sucedendo no cargo ao sul-coreano Ban Ki-moon.