Rádio Observador

Venezuela

Igreja Católica acusa Supremo Tribunal de Justiça de levar a Venezuela ao “precipício de uma ditadura”

A Igreja Católica venezuelana acusou o Supremo Tribunal de Justiça de levar o país ao "precipício de uma ditadura" ao ordenar ao Presidente Nicolás Maduro que limite a imunidade parlamentar.

LUSA

Autor
  • Agência Lusa
Mais sobre

A Igreja Católica venezuelana acusou o Supremo Tribunal de Justiça (STJ) da Venezuela de levar o país ao “precipício de uma ditadura” ao ordenar ao Presidente Nicolás Maduro que limite a imunidade parlamentar.

“A crise do país agrava-se a cada dia, como consequência de um sistema totalitário que nos leva a esse precipício que é a ditadura, porque simplesmente não se quer reconhecer onde está a soberania, que reside no povo que elegeu uma Assembleia Nacional”, disse o cardeal Baltazar Porras aos jornalistas.

Segundo o cardeal, a decisão do STJ é “anti-constitucional” e o Supremo Tribunal venezuelano pretende fazer desaparecer o parlamento eleito pelo povo e isso “é negar a base fundamental da democracia”.

Por outro lado, Baltazar Porras, referiu-se à eventual ativação da Carta Democrática da Organização de Estados Americanos, queixou-se da atuação da representação venezuelana naquele organismo, manifestando tristeza, pelo uso permanentemente “do insulto e da grosseria, porque o que se quer fazer valer é a razão da Venezuela”.

O cardeal chamou a atenção que o povo venezuelano está a pedir o que está na Constituição, que são eleições, que estão a ser adiadas de maneira inconstitucional e arbitrária, o que se constitui “numa parte do problema e da grave crise” no país.

Baltazar Porras defendeu a proposta opositora de convocar uma Assembleia Nacional Constituinte, insistindo, no entanto, que a prioridade são as eleições regionais que deveriam ter ocorrido em dezembro passado.

Na terça-feira, o STJ ordenou ao Presidente Nicolás Maduro que defina limites para a imunidade parlamentar, face ao que considerou serem “ações que atentam contra a independência e soberania nacional”.

Trata-se de uma decisão que é vista como uma concessão de poderes “exorbitantes” ao Presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, para criminalizar a oposição e que, segundo vários juristas, na prática, já eliminou a imunidade dos parlamentares e vai acabar com o parlamento.

Segundo o STJ, a decisão corresponde a um recurso interposto contra o “acordo sobre a reativação do processo de aplicação da Carta Interamericana da Organização de Estados Americanos como mecanismo para a resolução pacífica de conflitos e para restituir a ordem constitucional na Venezuela”, aprovado pela maioria parlamentar, da oposição, no passado dia 21.

O documento precisa ainda que, “no quadro do estado de exceção (económica em vigor no país) e perante o desacato e omissão legislativa continuada de parte da Assembleia Nacional”, o chefe de Estado deve rever, a título excecional, legislação como a Lei Orgânica contra a Criminalidade Organizada e o Financiamento do Terrorismo, a Lei Contra a Corrupção, o Código Penal, o Código Orgânico Processual Penal e o Código de Justiça Militar.

O objetivo, segundo a sentença do STJ, é “conjurar os graves riscos que ameaçam a estabilidade democrática, a convivência pacífica e os direitos dos venezuelanos, tudo em conformidade com a letra e o espírito da Lei Orgânica sobre os Estados de Exceção, em vigor”.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Socialismo

Má-fé socialista /premium

José Miguel Pinto dos Santos

Não é a situação social em Portugal muito melhor que na Venezuela — e que nos outros países socialistas? Sim, mas quem está mais avançado na implantação do socialismo, Portugal ou Venezuela?

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)