4 de fevereiro. O Sporting já tinha sido eliminado da Liga dos Campeões (e a coisa foi tão má que nem para a Liga Europa foi “recambiado”) e das taças, a da Liga e a de Portugal. O próprio treinador dos “leões”, Jorge Jesus, tinha atirado pouco antes a toalha ao chão: à entrada para aquela jornada, a vigésima, e antes da visita ao estádio do Dragão, o Benfica estava a sete pontos de distância e o FC Porto a seis — e como não há mal que venha só, o Sporting perderia (2-1) no “clássico”, afastando-se ainda mais dos da frente.

Mas há derrotas e derrotas: aquela, contra o FC Porto, só fez “bem” ao Sporting, que daí para cá não mais perdeu um jogo. Nove jogos, oito vitórias e um empate. Mais: depois da vitória desta noite no Bonfim, conseguiu a melhor série consecutiva de vitórias esta temporada: cinco.

A saber: 4-1 em Tondela, 2-0 em Alvalade contra o Nacional, 2-1 em Arouca, 4-0 em casa com o Boavista e, agora, 3-0 em Setúbal. Nada mal para quem praticamente só está a cumprir calendário até final.

Em agosto, quase com setembro a entrar, o Sporting até começou bem, venceu o Marítimo, o Paços de Ferreira, o FC Porto e Moreirense, mas depois foi a Madrid perder com o Real e perderia logo em seguida 3-1 em Vila do Conde com o Rio Ave. E foi-se-lhe o “embalo”, não chegando à quinta vitória. Aliás, não mais esteve perto de o conseguir. Até agora. E o “agora” chegou na melhor altura, antes do dérbi com o Benfica. A confiança está em alta, pois claro, e o Sporting (mais até do que o Benfica, diga-se) tem regalado a vista dos adeptos.

É verdade que o jogo em Alvalade pouco decidirá para o Sporting: o Benfica, que hoje venceu, está a oito pontos e o FC Porto, que só amanhã visita Braga, vencendo fica a sete. Mas Jesus garantiria à saída do Bonfim: “O Sporting vai querer vencer o Benfica, como quis vencer hoje o Vitória. É um dérbi. É a paixão de uma cidade e a paixão de um país. É para ganhar!” Ganhando até pode não ser campeão, é certo, mas vai certamente ser decisivo na atribuição do título.

Quanto ao que ao Sporting falta jogar, depois do Benfica vai a Braga, recebe o Belenenses, visita Santa Maria da Feira e acaba o campeonato em casa, com o Chaves. E tal como nos últimos cinco jogos, mais do que a vitória, quererá uma vitória com golos de Bas Dost. Afinal, não é todos os dias (desde Yazalde e Jardel) que Alvalade tem um Bota de Ouro.