Mais de 150 pessoas morreram, das quais 20 eram crianças, e mais de 80 ficaram feridas, algumas com gravidade, na sequência de um acidente com um camião cisterna que transportava combustível numa zona remota do Paquistão, de acordo com as autoridades daquele país. As vítimas foram apanhadas numa explosão 45 minutos depois do acidente quando aproveitavam para recolher o combustível derramado. A explosão terá sido causada por um cigarro que foi acendido por um dos presentes.

Um camião-cisterna que transportava combustível terá virado quando o condutor tentava fazer uma curva apertada numa autoestrada em Ahmed Pur Sharqia, nos arredores da cidade de Bahawalpur, no Paquistão. Segundo as autoridades, um dos pneus do camião terá rebentado quando o condutor fez a curva, provocando o despiste. O condutor sobreviveu ao acidente e foi detido.

De acordo com as autoridades da região, foi só cerca de 45 minutos depois do despiste que o camião terá explodido. Nessa altura, já muitos populares estavam à volta do camião a tentar recolher o combustível que tinha sido derramado. Os serviços de resgate dizem que, de acordo com informações preliminares, um dos presentes terá tentado acender um cigarro quando recolhia combustível, que pode ter causado a explosão.

As pessoas foram apanhadas na explosão, que provocou até esta altura cerca de 150 mortos, de acordo com as agências de notícias. As pessoas feridas terão sido transportadas para hospitais e para as cidades mais perto para serem tratados, algumas em estado crítico, com as autoridades a anteciparem um aumento do número de mortos nas próximas horas.

“As pessoas da zona e outras que vinham a passar começaram a tentar recolher combustível quando o camião-cisterna explodiu, queimando toda a gente no local e em redor”, afirmou o porta-voz do governo da província, Malik Muhammad Ahmed Khan, citado pela agência Reuters.

No local, de acordo com as imagens disponíveis, é possível ver várias motas e alguns carros completamente carbonizados, assim como recipientes que terão sido levados pelos locais para o sítio onde ocorreu a explosão para recolher combustível, assim como corpos carbonizados de dezenas de vítimas mortais que ainda estão por recolher.

No Paquistão, a escassez de combustíveis nos pontos de venda não é rara. Nos últimos anos foram vários as alturas em que, por incompetência, greves ou bloqueio da indústria, os condutores paquistaneses não conseguiram atestar as suas viaturas nos postos de combustível. Em abril, uma greve dos fornecedores, contra a imposição de um imposto de 16%, levou a que várias bombas ficassem sem combustível para venda.

Em 2015, durante mais de uma semana, bombas um pouco por toda a região de Punjab – no leste do Paquistão – ficaram praticamente vazias, com filas intermináveis de condutores a tentar atestar os seus depósitos e muita contestação no país, que levou à demissão de quatro governantes e à imposição de racionamento na venda de combustíveis.

(Artigo alterado com atualização do número de vítimas mortais para 153 e mais detalhes sobre o acidente)