Rádio Observador

Restaurantes

Cuidado, está quente: Spices

103

Há novidades nos espaços de restauração do Penha Longa Resort: o Midori está mais pequeno e arrojado e no espaço que sobrou nasceu este Spices, cuja ementa se inspira na comida de rua pan-asiática.

Autor
  • Tiago Pais

O que interessa saber

Nome: Spices
Abriu em: Julho de 2017
Onde fica: Penha Longa Resort. Estrada da Lagoa Azul, Sintra
O que é: Um restaurante pan-asiático que se inspira na comida de rua de quatro países: Japão, China, Índia e Tailândia
O que existia ali antes: O restaurante resulta da divisão do antigo Midori em dois restaurantes, um novo Midori (mais pequeno e arrojado) e este Spices.
Quem manda: Na cozinha manda o chefe Pedro Almeida, que passou a acumular o comando dos dois restaurantes.
Quanto custa: Em média, 30€ por pessoa.
Uma dica: Apesar de o único restaurante japonês do Penha Longa ser agora o Midori, ainda se servem combinados de sushi e sashimi no Spices. E ao sábado continua a ser servido o célebre buffet nipónico.
Contacto: 21 924 9011
Horário: De terça a sábado das 19h às 23h.

A história

Depois de quase 25 anos de Midori, uma referência entre os restaurantes japoneses da Grande Lisboa, os responsáveis do Penha Longa Resort decidiram dividi-lo em dois espaços diferentes. Transformaram o Midori num restaurante bem mais pequeno, com menos de 20 lugares, um ambiente exclusivo e um conceito gastronómico mais arrojado e criativo — que continua intimamente ligado à cozinha japonesa — e na área que sobrou fizeram nascer o Spices, cuja ementa definem como sendo “pan-asiática”. O que não muda é a chefia. Nem de um espaço nem de outro: continua a ser Pedro Almeida a mandar em ambas as cozinhas, se bem que será mais provável encontrá-lo na do Midori, por ser mais exigente. “Esta [Spices] é mais divertida de comer, a outra é mais divertida de criar”, explica o chefe.

Pedro Almeida em ação na cozinha do novo Spices.
(foto: © Tiago Pais / Observador)

O espaço

O restaurante ocupa boa parte do antigo Midori e divide-se em duas salas distintas. Se na primeira se destacam os enormes painéis com motivos asiáticos que a separam do novo Midori, na segunda, que tem algumas mesas mais recatadas, os olhos resvalam inevitavelmente para a ilha que serve de cozinha ao Spices, e que permite aos mais curiosos irem acompanhando de perto a ação de cozinheiros e ajudantes.

O Spices tem duas salas, uma delas com um ambiente mais recatado.
(foto: © Tiago Pais / Observador)

A comida

Ao longo da refeição, Pedro Almeida vai repetindo adjetivos como descontraído, relaxado, casual ou informal — não necessariamente por esta ordem. Fica bem assente a ideia que quer transmitir. “Não queremos que seja um daqueles sítios exclusivos onde as pessoas têm de vir super bem vestidas”, exemplifica. O conceito, refere, é “de partilha, inspirado na street food asiática”, com foco em quatro países: China, Japão, Índia e Tailândia. Isto materializa-se, por exemplo, em petiscos como yakitori de asas de frango com teriyaki de chipotle, satay de salmão, baos com diversos recheios, e, no campo dos pratos mais substanciais, uma corvina cozinhada ao vapor com chutney de banana, caris indianos e tailandeses ou uns curiosos korokke (croquetes japoneses) de leitão e queijo da serra. Quem ali entrar à procura de sushi, talvez imbuído de boas recordações antigas, está com sorte — os responsáveis decidiram não cortar completamente com o passado e mantiveram na carta três combinados de sushi e sashimi.

Korokke, uma espécie de croquetes japoneses, recheados com leitão e queijo da serra.
(foto: © Divulgação)

Penha Longa Resort, Sintra, Portugal

“Cuidado, está quente” é uma rubrica do Observador onde se dão a conhecer novos restaurantes.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)