Jovem companhia norte-americana que procura entrar no negócio do veículo eléctrico, a Lucid Motors vive tempos complicados, devido à dificuldade em arranjar fundos para financiar o desenvolvimento daquele que será o seu modelo de estreia, o Air. Razão pela qual decidiu dirigir-se ao gigante automóvel Ford, para propor uma integração no grupo da oval. Algo que, no entanto, os responsáveis do fabricante de Dearborn terão recusado, afirmando não estar, neste momento, interessados em comprar a Lucid Motors.

Informações difundidas pela Bloomberg dão conta de que responsáveis da Lucid terão inclusivamente chegado à conversa com altos dirigentes da Ford, tentando aliciá-los para a compra da pequena companhia que começou pelo desenvolvimento da tecnologia de baterias, mas que conta já com um protótipo de veículo eléctrico, denominado Air.

Que loucura: Lucid Air atinge 378 km/h! E pode ser (ainda) mais rápido

Recorde-se que, ainda antes destas notícias, já o director de Tecnologia da Lucid Motors, Peter Rawlinson, reconhecia que a empresa não tinha, “neste momento, dinheiro disponível [para continuar]”. Razão pela qual decidiu “avançar para uma nova ronda de angariação de financiamento, Série D, até porque seria irresponsável dar continuidade aos projectos de forma profissional e com integridade absoluta, sem antes assegurar o encaixe financeiro necessário”.

O ex-Tesla Peter Rawlinson na apresentação do Lucid Air, em Fremont

Entretanto, e apesar do anunciado falhanço quanto uma possível integração na Ford Motor Company, a Lucid terá já decidido não só avançar com “uma nova acção de angariação de fundos”, como também manter em aberto a possibilidade de venda a uma entidade exterior. A Bloomberg avança que a companhia californiana “contratou já a Morgan Stanley, para ajudá-la a angariar o financiamento necessário, capaz de garantir a continuação do desenvolvimento dos seus futuros veículos, assim como a construção de uma futura fábrica no Arizona”.

Quanto às agora conhecidas negociações entre a Lucid Motors e a Ford, ambas as marcas recusaram-se já a confirmar a sua existência, com a marca da oval a responder que “não comenta especulações”. Facto que, no entanto, não impede a Bloomberg de afirmar que a Ford não estará interessada em comprar a Lucid… para já.